menu
Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Exercícios melhoram a flacidez da pele ou só da musculatura?

Paola Machado

16/03/2018 04h00

Crédito: iStock

Tanto quanto celulites, estrias, culotes e flancos, a flacidez da pele está entre os maiores medos das mulheres. O problema é capaz de acabar com o humor e a motivação de muitas pessoas –e até deprimir as mais vaidosas.

A flacidez ocorre devido à perda ou falta de tonicidade da pele, do músculo ou de ambos. Ela é gerada por fatores genéticos, ambientais (poluição, exposição solar), maus hábitos (má alimentação, falta de exercício, tabagismo, álcool), idade, enfim, diversos processos que levam à degradação do colágeno e da elastina da pele, ou a redução do tônus muscular.

Como você pode ver na ilustração abaixo, a pele sobrepõe o músculo. Por esse motivo, se o músculo está "flácido", ou seja, não está fortalecido, está atrofiado, sem tônus, mole, enfim, como você quiser chamar, consequentemente, a pele fica com o aspecto flácido. Já quando a pele está flácida pela falta de colágeno e elastina, independentemente do quanto você treinar, será muito difícil  observar seus gominhos na barriga.

 

 

Identifique os tipos de flacidez 

FLACIDEZ DA PELE Una os dedos polegar e indicador e faça uma pinça. A uma distância de cerca de três dedos do umbigo, segure sua pele e puxe o quanto der. Quando soltar a pele, observe se ela volta ao normal . Se sim, você não sofre de flacidez de pele. Se ela demorar a normalizar, esse tipo de flacidez pode estar presente. Lembre-se: procure uma dermatologista para realizar a avaliação mais precisa.

Como tratar Com exercícios localizados, principalmente a musculação, você consegue recuperar a tonicidade do músculo e, por fim, melhorar a flacidez muscular e diminuir um pouquinho o aspecto flácido da pele. Há tratamentos estéticos que potencializam os resultados, como a Corrente Russa.

Já pessoas que emagreceram muito, tiveram bebê ou possuem uma flacidez de pele genética, que não tem a influência do tônus muscular, conseguem melhoras com radiofrequência, que estimula a produção de colágeno. Lembre-se esses tratamentos só devem ser realizados após indicação de um especialista.

Há ainda casos extremos de pessoas que emagreceram muitos quilos e ficaram com uma sobra excessiva de pele. Neles, o médico orienta um tratamento cirúrgico (no caso do abdômen a abdominoplastia) focando na região mais acometida.

FLACIDEZ MUSCULAR Contraia o abdômen. Se o músculos apresentarem, mesmo assim, uma mobilidade e contornos não definidos, você pode estar com falta de tônus muscular. Peça orientação para seu professor de educação física. Ele vai ajudar você a observar se o músculo está ou não tonificado, ou seja, flácido.

Como tratar É possível notar grande melhora com musculação, treinamento funcional ou pilates, realizando exercícios que têm como foco a região do core.

A relação atividade física e flacidez da pele

O exercício não vai melhorar sua flacidez de pele 100%. Afinal, quando você estava grávida ou aumentou o peso, o seu corpo se adaptou aquele estado. Sua pele ficou mais elástica e "afrouxou"! Essa é uma situação normal. Há pessoas que têm uma leve distensão da pele e o corpo consegue fazer com ela volte ao normal. Porém, em pessoas que passaram por uma distensão de pele absurda é difícil fazer voltá-la ao normal somente com atividades físicas.

O exercício ajuda muito na melhora do tônus muscular, redução do percentual de gordura e aumento da produção de colágeno. Mas, calma, o colágeno age na sua pele flácida quando sua produção é, também, estimulada por meio de tratamentos sugeridos pelo seu médico, complementados com estratégias que favorecem a produção endógena de colágeno –ou seja, quando a substância é fabricada pelo organismo. Tomar suplemento de colágeno pode não funcionar. Porém, isso é assunto para o texto de manhã.

 

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.