menu
Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Sabia que há exercício para melhorar função sexual e evitar escape de xixi?

Paola Machado

08/11/2018 04h00

Crédito: iStock

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar sobre a musculatura do assoalho pélvico (MAP). Mas ainda hoje há muitas dúvidas sobre quais os melhores exercícios para fortalecer a região, seus benefícios e quando fazer isso. Também há alguns mitos que envolvem o assunto.

Atualmente, se estimula muito o preparo do corpo da mulher para o parto natural e muitos acreditam erroneamente que somente durante a gestação é que devemos nos preocupar em trabalhar os músculos do assoalho pélvico. Outro mito é que só é necessário cuidado com essa parte do corpo quando se iniciam os sintomas de incontinência urinária.

Na realidade, o ideal seria que todas as mulheres já fossem educadas para desenvolver a consciência sobre a MAP ao longo da vida. Ou seja, da mesma forma em que aprendemos a dar importância em manter o quadríceps bem torneado, também deveríamos desenvolver a consciência sobre a importância da musculatura do assoalho pélvico.

O que é e quais suas funções?

A MAP é composta por 13 músculos, que possuem função sexual, de continência urinária e fecal e sustentação de órgãos (útero, bexiga, reto e intestino delgado).

A MAP sofre sobrecarga constante, principalmente quando ocorre o aumento da pressão intra-abdominal, por exemplo, ao tossir, levantar muito peso, fazer exercícios com impacto intenso, durante a gestação ou em casos de obesidade.

Ao longo da vida, principalmente após a menopausa, quando os níveis hormonais decaem, há uma diminuição significativa da massa muscular. Esse processo ocorre no corpo todo, incluindo na MAP. O grande problema é que, ao contrário do resto do corpo, o assoalho pélvico raramente é fortalecido. Por isso, alguns sinais e sintomas de que eles estão enfraquecidos começam a surgir, como a perda de urina durante o esforço –um exercício ou ao tossir –, incontinência fecal ou mesmo disfunções sexuais e prolapsos genitais. Daí a importância de as mulheres trabalharem a região para prevenir essas disfunções.

Como fortalecer a MAP?

Os exercícios de fortalecimento desses músculos são chamados de Kegel. Eles foram detalhados pela primeira vez pelo médico Arnold Kegel, em 1948, que desenvolveu exercícios para corrigir a frouxidão vaginal sem cirurgia. Os benefícios envolvem o aumento da circulação sanguínea da região, ganho de força, alongamento e coordenação perineal, o que contribui para aumentar o desempenho sexual e evitar a incontinência urinária e fecal.

Segundo Juliana Satake, fisioterapeuta especializada em saúde da mulher pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), "os exercícios envolvem uma série de contrações sustentadas, seguidas de relaxamento. O tempo de execução varia de acordo com a força da mulher e o quanto ela consegue sustentar o assoalho sem entrar em fadiga muscular. Ao fazer os exercícios, é importante respirar corretamente e contrair o abdome. O método pilates tem se mostrado um aliado na ativação do transverso do abdome, na estabilidade destes músculos e fortalecimento da musculatura acessória, como o glúteo, isquiotibiais e adutores".

Antes de iniciar qualquer tipo de fortalecimento da MAP, é essencial buscar orientação de um médico ginecologista ou urologista e de um fisioterapeuta especializado e capacitado na área de uroginecologia e saúde da mulher. Isso é importante para que a mulher consiga identificar os músculos do assoalho pélvico e saiba fortalecer e relaxar a musculatura corretamente.

Exercícios realizados de forma incorreta podem predispor a infecções urinárias e hipertrofia da musculatura. O acompanhamento por um fisioterapeuta é essencial para que a paciente evolua durante os exercícios. Outros métodos de fortalecimento podem ser associados, como os cones vaginais, eletroestimulação e biofeedback.

Procure seu médico ou fisioterapeuta para orientá-la para o tratamento correto.

*Colaboração da fisioterapeuta Dra. Renata Luri

Referências:
– Oliveira M, Ferreira M, Azevedo MJ, Machado JF. Santos PC Pelvic floor muscle training protocol for stress urinary incontinence in women: A systematic review Rev. Assoc. Med. Bras. São Paulo, 2017 July; 63(7)
– Cavkaytar, S; Kokanali, M K; Topcu, H O; Aksakal, O S; Doganay, M.Effect of home-based Kegel exercises on quality of life in women with stress and mixed urinary incontinence.J Obstet Gynaecol, 2015 May; 35(4): 407-10
– Kargar Jahromi, Marzieh; Talebizadeh, Malihe; Mirzaei, Maryam.The effect of pelvic muscle exercises on urinary incontinency and self-esteem of elderly females with stress urinary incontinency. Glob J Health Sci, 2014 Sep; 7(2): 71-79
– Pereira, V S; de Melo, M V; Correia, G N; Driusso, P.Vaginal cone for postmenopausal women with stress urinary incontinence: randomized, controlled trial. Climacteric; 2012 Feb;15(1): 45-51
– Zanetti, MDR; Castro, AR ; Rotta LA; Santos, PD; Marair D; Girão, MJBC .Impact of supervised physiotherapeutic pelvic floor exercises for treating female stress urinary incontinence. Sao Paulo Med J; 2007 Sept; 125(5): 265-269
– Souza, LM; Pegorare, ABGS; Christofoletti, G; Barbosa, SRM. Influence of a protocol of Pilates exercises on the contractility of the pelvic floor muscles of non-institutionalized elderly persons / Influência de um protocolo de exercícios do método Pilates na contratilidade da musculatura do assoalho pélvico de idosas não institucionalizadas. Rev. bras. geriatr. gerontol.2017 July-Aug; 20(4): 484-492
– Satake, JT; Pereira, TRC; Aveiro, MC. Self-reported assessment of female sexual function among Brazilian undergraduate healthcare students: a cross-sectional study (survey). Sao Paulo Med. J.2018 July/Aug,136(4)
– Lausen A, Marsland L, Head S, Jackson J, Lausen B. Modified Pilates as an adjunct to standard physiotherapy care for urinary incontinence: a mixed methods pilot for a randomised controlled trial. BMC Womens Health. 2018 Jan 12;18(1):16.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.