menu
Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Como saber se meu filho tem escoliose?

Paola Machado

29/11/2018 04h00

Crédito: iStock

Se ao olhar para o corpo do seu filho em fase de crescimento você perceber diferenças entre os lados direito e esquerdo do corpo, como a diferença de altura de ombros, ele pode ter escoliose.

É normal ter curvaturas na coluna vertebral, como a lordose e a cifose, que são fisiológicas. No entanto, algumas pessoas podem apresentar curvaturas atípicas, mais acentuadas ou até mesmo para os lados, acompanhadas ou não de rotação. Neste caso, é uma curvatura denominada escoliose.

A escoliose é uma alteração da coluna vertebral nos três planos de movimento, na qual ocorre um desvio lateral da coluna e rotação das vértebras. O problema é observado em radiografias de coluna com um formato em 'C' ou em 'S'. Mas vale ressaltar que para ser considerada escoliose, esse desvio deve ser maior que 10°.

A condição pode ser observada desde a infância e decorrente de síndromes, distúrbios neurológicos ou ser congênitas e idiopáticas, quando não há causa definida. A escoliose idiopática do adolescente (EIA) é a mais frequente na população, ocorrendo a partir dos 10 anos de idade. É responsável por 80% a 85% dos casos e apresenta maior incidência no sexo feminino. Na adolescência, o corpo do adolescente já passa por muitas mudanças e a questão estética pode comprometer a autoestima e desencadear problemas sociais e psicológicos.

Há alguns indícios além do exame de imagem que podem apontar para uma escoliose:

  • Diferença entre os hemicorpos direito e esquerdo do corpo Leva a alterações posturais, como assimetrias de ombro, escápulas e gradil costal, rotação de tronco, inclinação da pelve e cabeça;
  • Dor na coluna Pode ocorrer devido a alterações na postura.

Estudos recentes mostram que a assimetria de ombros é a alteração postural que está diretamente relacionada com a EIA e que a existência de programas nas escolas para auxiliar no diagnóstico dessa alteração apresentam grande importância para o tratamento.

O diagnóstico da EIA se dá por critérios de exclusão e o seu desenvolvimento pode estar relacionado a alterações genéticas, hormonais ou biomecânicas. Normalmente, o problema é diagnosticado na infância ou na adolescência e necessita de acompanhamento radiográfico da evolução da curva para prevenir sua progressão por meio de tratamentos conservadores (órteses e fisioterapia), pois pode haver comprometimento da função cardiorrespiratória em curvas com altos graus, além de assimetrias mais evidentes na postura.

O tratamento conservador baseia-se em manter a curva no grau em que foi diagnosticado ou diminuir a velocidade de progressão até a maturidade óssea, visto que não há regressão da curva. O tratamento cirúrgico é indicado apenas em pacientes com curvas acima de 40°, que ainda não atingiram à maturidade óssea.

Quanto mais precoce o diagnóstico e manejo terapêutico, maiores as chances do tratamento ser efetivo para estabilizar e evitar a progressão da curvatura. Por isso, é essencial que os pais observem o desenvolvimento dos filhos e, caso haja alguma diferença importante entre a altura dos ombros ou da postura da criança, consulte um especialista.

No tratamento da EIA é importante manter o manejo por meio de exercícios para correção das alterações posturais e de consciência corporal com um fisioterapeuta capacitado. Além disso, os exercícios aeróbicos são indicados para reduzir os riscos de comprometimento cardiopulmonar devido a alterações e compressões em caixa torácica. Procure sempre um profissional de saúde antes de iniciar qualquer tratamento.

*Colaboração da fisioterapeuta Dra. Renata Luri e da fisioterapeuta especializada em afecções da coluna vertebral e reeducação postural global Dra. Thais de Almeida

Referências:
– Penha PJ, Penha NLJ, De Carvalho BKG, Andrade RM, Schmitt ACB, João SMA. Posture Alignment of Adolescent Idiopathic Scoliosis: Photogrammetry in Scoliosis School Screening. J Manipulative Physiol Ther. 2017 Jul – Aug;40(6):441-451.
– Penha, PJundi et al. Prevalence of Adolescent Idiopathic Scoliosis in the State of São Paulo, Brazil. Spine,2018.
– Panchmatia JR, Isaac A, Muthukumar T, Gibson AJ, Lehovsky J. The 10 key steps for radiographic analysis of adolescent idiopathic scoliosis. Clinical Radiology. 2015. 70(3), 235-242.
– Van der Plaats A, Veldhuizen AG, Verkerke GJ. Numerical Simulation of Asymmetrically Altered Growth as Initiation Mechanism of Scoliosis. Annals of Biomedical Engineering. 2007;35(7):1206-1215.
– Weinstein SL, Dolan LA, Cheng JC, et al. Adolescent idiopathic scoliosis. Lancet. 2008. 371:1527–1537.
– Lenke CL. Milwaukee: Scoliosis Research Society. De¬d¬icated to the education, research and treatment of spinal deformity. 2010.c1966-2017.
– Negrini, Stefano et al. 2016 SOSORT guidelines: orthopaedic and rehabilitation treatment of idiopathic scoliosis during growth. Scoliosis and spinal disorders. 2018 v. 13, n. 1, p. 3, 2018.
– Rocha EST, Pedreira ACS. Common orthopedic problems in adolescents. Rio de Janeiro. J Pediatric 2011; 77 (Supl.2): S225-S233.
– Alves VLS. Fisioterapia nas Lesões da Coluna Vertebral. 1ª edição. São Paulo. Ed. Atheneu.2014.
– Fortin C, Feldman DE, Cheriet F, Gravel D, Gauthier F, Labelle H. Reliability of a quantitative clinical posture assessment tool among persons with idiopathic scoliosis. Physiotherapy. 2012;98(1):64-75.
– Scoliosis Reasearch Society. A handbook for patients. Park Ridge: Scoliosis Research Socity;1986.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.