Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Conheça a disfunção que causa dor de cabeça, de ouvido, no rosto e coluna

Paola Machado

27/12/2018 04h00

Crédito: iStock

A articulação temporomandibular, apelidada de ATM, é uma articulação pequena que fica logo a frente da orelha, mais especificamente entre o osso temporal -parte fixa- e a mandíbula -parte móvel. Você pode não conhecê-la, mas para você ter uma ideia de sua importância, ela serve como uma "engrenagem" aos movimentos de rotação e translação e é considerada a articulação mais complexa do corpo humano, chegando a realizar cerca de 1500 a 2000 movimentos diários.

Mais "cientificamente" falando, o funcionamento correto da ATM se dá graças às estruturas ósseas do crânio e mandíbula, separadas por um disco articular preso por ligamentos, músculos e inervação, além de uma rica vascularização. Todas estas estruturas são protegidas por uma cápsula articular internamente revestida por uma membrana sinovial, que secreta e confina o líquido sinovial, o responsável pela lubrificação, suprimento nutricional e metabólico para a ATM, permitindo movimentos suaves durante a mastigação, deglutição e fala, por exemplo.

A complexidade desta articulação se dá por envolver diversas estruturas e funções. O seu correto funcionamento requer o trabalho sincronizado de seus próprios componentes estruturais associados a componentes biomecânicos, tornando-a vulnerável a alterações funcionais que levam a desarranjos como a disfunção temporomandibular.

O que é a disfunção temporomandibular?

Agora que você conhece a  articulação temporomandibular, precisa conhecer sua disfunção. A disfunção temporomandibular, chamada de DTM, é um conjunto de disfunções musculares e articulares das regiões orofaciais, com causa multifatorial, ou seja, as alterações podem ser estruturais, neuromusculoesqueléticas ou emocionais, que em conjunto atingem o sistema cervicocraniomandibular e apresenta diversos sintomas.

A DTM acomete mais mulheres do que homens, em uma proporção de cinco para um, e pode estar presente em todas as idades, mas a maior procura por tratamento é por pessoas na faixa de 20 a 40 anos. Além disso, a disfunção pode afetar as atividades da rotina, a interação psicossocial e, de modo geral, a qualidade de vida do paciente.

Causas e fatores de riscos que levam a DTM:

A DTM possui uma etiologia multifatorial, com fatores que podem desencadear, perpetuar e contribuir para o seu surgimento, entre os principais temos:

  • Hábitos parafuncionais: Os hábitos parafuncionais em sua maioria recebem influência de estímulos do sistema nervoso central que provocam contrações prolongadas de determinado grupamento muscular inseridos à articulação sobrecarregando-a. A longo prazo leva a um quadro degenerativo articular. Podemos citar como alguns desse hábitos o ato de morder unha, objetos como lápis e canetas, tabagismo, consumo constante de chicletes e alimentos duros. Mas atualmente o hábito mais presente em pessoas que apresentam a DTM são o apertamento dentário, bruxismo e também a má postura em cervical e cabeça. Ambos podem ocorrer tanto durante o dia em vigília quanto durante o sono. O combate aos hábitos parafuncionais se dá com a efetiva reeducação comportamental e uso de recursos que os cessem, mas sempre com a importância de se associarem em conjunto aos demais objetivos do processo de reabilitação.
  • Alterações Oclusais: As alterações oclusais mais freqüentes são a falta de dentes, perda de guias oclusais, entre outros.
  • Alterações Sistêmicas: Os problemas sistêmicos encontrados são frouxidão ligamentar, fibromialgia, distúrbios hormonais e transtornos do sono.
  • Alterações Estruturais: Alterações estruturais relacionadas a malformações esqueléticas e encurtamento do lábio superior.
  • Fatores Somato emocionais: Podemos citar como transtornos emocionais a depressão, ansiedade aguda e estresse.
  • Traumatismos: Os microtraumatismos locais podem ocorrer pela freqüência de hábitos parafuncionais e macrotrumatismos na face devido a fraturas e processos inflamatórios além de indiretos ocasionados por movimentos súbitos como a Síndrome do Chicote Cervical.

Sintomas da DTM:

Os sintomas são diversos, e podemos separá-los em uma ordem de mais frequentes para menos frequentes, como:

  • Dores de cabeça;
  • Dor na coluna cervical;
  • Dores nos músculos da face e ATM;
  • Ruídos articulares (estalido e crepitação);
  • Limitação de movimentos e/ou desvios dos movimentos da mandíbula;
  • Dor de ouvido;
  • Zumbido ou vertigens;
  • Cansaço nos músculos faciais;
  • Dores nos dentes;
  • Alterações oftálmicas;
  • Sinais autonômicos.

Acometimentos associados:

A DTM está associada ao desequilíbrio de todo o corpo, pois, uma articulação com disfunção não só cria desconforto local, mas pode inibir ou hiperativar músculos de outras estruturas próximas, gerando uma série de compensações posturais.

Uma estrutura intimamente ligada a DTM é a coluna cervical, devido à sua proximidade e interação. Há uma forte relação entre dor de cabeça e dor na coluna cervical com a DTM. Atualmente devido ao uso constante do celular e de notebooks em posturas inadequadas, tanto a cabeça quanto a cervical mal posicionadas sobrecarregam as estruturas intra-articulares.

Quando bem indicado, o tratamento da DTM pode melhorar quadros de cefaléias e cervicalgias, desde que estes tenham relação, para isso se faz necessário uma avaliação criteriosa. Lembrando que só é definido como DTM a presença em conjunto de alterações estruturais, neuromusculoesqueléticas e somato emocionais.

Tratamento:

Para uma efetiva reabilitação a DTM requer muitas das vezes uma intervenção multidisciplinar entre os profissionais da fisioterapia, odontologia, medicina, psicologia e fonoaudiologia. Em cada caso clínico, as causas devem ser investigadas e a intervenção em conjunto beneficia o tratamento do paciente.

No caso da fisioterapia, ela se mostra uma grande aliada no alívio de dor e retorno da funcionalidade. Através de uma avaliação global do histórico, estruturas articulares, musculares e funções alteradas é possível traçar um tratamento eficaz com o uso de terapias manuais, recursos como a laserterapia e exercícios terapêuticos nas musculaturas mastigatórias intra-orais, extra-orais e adjacentes, amenizando os sintomas, estimulando a propriocepção e produção de líquido sinovial na articulação e melhorando a elasticidade das fibras musculares aderidas. Faz se necessário o reequilíbrio do complexo acometido, manutenção da estabilidade do quadro e correção dos acometimentos associados a DTM, onde neste caso demais estruturas do corpo se relacionam.

O diagnóstico e tratamento precoce potencializam a reabilitação, procure sempre um profissional da área da saúde. E lembre-se que o trabalho interdisciplinar desses profissionais será um aliado no seu tratamento.

*Colaboração das fisioterapeutas Renata Luri e Bruna Farias Barreto, graduada pela Universidade Federal de São Paulo.

Referências:
– ALKHUDHAIRY, May Wathiq et al. A self-reported association between temporomandibular joint disorders, headaches, and stress. Journal of International Society of Preventive & Community Dentistry, v. 8, n. 4, p. 371, 2018.
– DA SILVA, Marcelo Tenreiro Jesus; DOS SANTOS, Robson. Terapia Manual nas Disfunções da ATM. 2 ed. Editora Rubio, 2018.
– FERNÁNDEZ-DE-LAS-PEÑAS, César; SVENSSON, Peter. Myofascial temporomandibular disorder. Current rheumatology reviews, v. 12, n. 1, p. 40-54, 2016.
– HARRISON, Anne L.; THORP, Jacob N.; RITZLINE, Pamela D. A proposed diagnostic classification of patients with temporomandibular disorders: implications for physical therapists. journal of orthopaedic & sports physical therapy, v. 44, n. 3, p. 182-197, 2014.
– MARCOS-MARTÍN, Fernando et al. Multimodal physiotherapy treatment based on a biobehavioral approach for patients with chronic cervico-craniofacial pain: a prospective case series. Physiotherapy theory and practice, v. 34, n. 9, p. 671-681, 2018.
– MAPELLI, Andrea et al. Reorganization of muscle activity in patients with chronic temporomandibular disorders. Archives of oral biology, v. 72, p. 164-171, 2016.
– PELICIOLI, Marcelo et al. Physiotherapeutic treatment in temporomandibular disorders. Revista Dor, v. 18, n. 4, p. 355-361, 2017.
– SCHIFFMAN, Eric et al. Diagnostic criteria for temporomandibular disorders (DC/TMD) for clinical and research applications: recommendations of the International RDC/TMD Consortium Network and Orofacial Pain Special Interest Group. Journal of oral & facial pain and headache, v. 28, n. 1, p. 6, 2014.
– WALCZYŃSKA-DRAGON, Karolina et al. Correlation between TMD and cervical spine pain and mobility: is the whole body balance TMJ related?. BioMed research international, v. 2014.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.