Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Além da saúde: os benefícios da atividade física para o humor e bem-estar

Paola Machado

30/12/2018 04h00

Você provavelmente já ouviu que a prática regular de exercícios não beneficia apenas saúde, mas é também uma aliada da mente. No caso de quadros como depressão, ansiedade e estresse, a atividade física é uma forte aliada tratamento não-medicamentoso.

Muitas pesquisas mostram que praticar alguma modalidade, principalmente as aeróbicas — atividades com alto gasto calórico e consumo de oxigênio como a natação, corrida, bike –, traz benefícios positivos para a saúde mental, como a melhora os níveis de serotonina, que influencia no bem-estar e autoestima e a melhora da qualidade do sono. De acordo os estudos, a influência do exercício é tão poderosa que, quando os voluntários analisados interromperam a rotina de treinos, sofreram alterações no humor.

Buscando esclarecer como o a atividade física influencia na mente, os cientistas destacam duas hipóteses: a "presença da fadiga", em diferentes intensidades, como uma entidade psicológica capaz de promover mudanças no comportamento para a própria segurança do indivíduo e a "elevação da temperatura central", observada em nosso organismo durante a prática, que está relacionada a menor nível de ansiedade e consequentemente melhora do humor.

E não é preciso muito, viu? São necessários apenas 10 a 30 minutos de exercício físico para se obter melhoras no humor e bem-estar quando aplicados de maneira coerente ao público e intensidade. Os benefícios podem durar em até 5 horas após o treino, que deve ser realizado sempre a supervisão de um profissional de educação física. Aqui vão algumas dicas de atividades aliadas da mente para diferentes perfis:

  • Para jovens iniciantes, pedalar ou correr em intensidade moderada — 60 a 70% da frequência cardíaca máxima — já promove mudanças positivas.
  • Para jovens fisicamente ativos, que gostam e já estão acostumados com exercício intenso, o ideal para receber os benefícios é pedalar em alta intensidade — acima de 85% frequência cardíaca máxima — com duração entre 10 a 15 minutos de maneira intervalada, ou seja, 30 segundos com carga alta seguidos de 30 segundos com carga leve.
  • Para idosos saudáveis, a caminhada de leve intensidade com progressão para moderada, entre 10 a 30 minutos é o mais indicado para melhorias psicobiológicas.
Referências:
– Miranda, R. M.; et al. Physical Exercise, Mood and Well Being: Considerations of The Prescription of High Intensity Exercise. Revista Psicologia e Saúde, v. 3, n. 2, jul. – dez. 2011, pp. 46-54.
– Ahluwalia, J., Yaqoob, M., Urban, L., Bevan, S., & Nagy, I. (2003). Activation of capsaicin-sensitive primary sensory neurons induces anandamide production and release. Journal of Neurochemistry, 84 (3), 585–591.
– Chaouloff, F. (1997). The serotonin hypothesis. In: Morgan, W. P. Physical activity and mental health (pp. 179-98). Washington DC: Taylor & Francis.
– Cunha, G. S., Ribeiro, J. L., & Oliveira, A. L. (2008). Níveis de beta-endorfina em resposta ao exercício e no sobretreinamento. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, 52 (4), 589-598.
– Dietrich, A., & Mc Daniel, W. F. (2004). Endocannabinoids and exercise. British Journal Sports Medicine, 38 (5), 536–541.
– Dishman, R. K. (1997b). The norepinephrine hypothesis. In: Morgan W. P. Physical activity and mental health (pp. 199-212). Washington DC: Taylor & Francis.
– Dunn, E. C., & McAuley, E. (2000). Affective responses to exercise bouts of varying intensities. Journal of Social Behavior and Personality, 15 (2), 201-214.
– Heitkamp, H. C., Huber, W., & Scheib, K. (1996). Beta- Endorphin and adrenocorticotrophin after incremental exercise and marathon running–female responses. European Journal of Applied Physiology and Occupational Physiology, 72 (5-6), 417-24.
– Kamijo, K., Nishihira, Y., Hatta, A., Kaneda, T., Wasaka, T., Kida, T., & Kuroiwa, K. (2004b). Differential influences of exercise intensity on information processing in the central nervous system. European Journal of Applied Physiology, 92 (3), 305-311.
– Rocheleau, C. A., Webster, G. D., Bryan, A., & Frazier, J. (2004). Moderators of the relationship between exercise and mood changes: gender, exertion level, and workout duration. Psychology and Health, 19 (4), 491–506.
– Rot, H. M., Collins, K. A., & Fitterling, H. L. (2009). Physical exercise and depression. Mount Sinai Journal of Medicine, 76 (2), 204-214.
– Werneck, F. Z., Filho, M. G. B., & Ribeiro, L. C. S. (2005). Mecanismos de melhoria do humor após o exercício: Revisitando a hipótese das endorfinas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 13 (2), 135-144.
– Werneck, F. Z., Filho, M. G. B., & Ribeiro, L. C. S. (2006). Efeitos do exercício sobre os estados de humor: uma revisão. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte e do Exercício, 0, 22- 54.
– Yeung, R. R. (1996). The acute effects of exercise on mood state. Journal of Psychosomatic Research, 2, 123-41.
– Young, S. N. (2007). How to increase serotonin in the human brain without drugs. Journal of Psychiatry and Neuroscience, 32 (6), 394-9.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.