Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Síndrome das pernas inquietas: saiba o que é e como tratar problema

Paola Machado

05/01/2019 04h00

Crédito: iStock

Você tem uma vontade incontrolável de movimentar as pernas? Sente sensações incômodas ao ficar quieto e elas melhoram, pelo menos por um tempinho, quando se mexe? Então, pode ser que sofra da síndrome das pernas inquietas (SPI), uma desordem neurológica sensório-motora.

O problema é caracterizado pelo desejo de movimentar as pernas, podendo estar ou não associado a uma "dormência", um "formigamento" ou desconforto nos membros inferiores. Os sintomas aumentam com o descanso, melhoram com a atividade e pioram no final da tarde ou da noite.

A síndrome ainda afeta o sono. Por isso, também é possível notá-la quando a noite de descanso não é suficiente. Isso faz com que a pessoa esteja sempre cansada, prejudica a concentração em atividades cotidianas e prejudica o humor. O parceiro reclamar que suas pernas não param de se mexer durante a noite é outro indicador do problema.

O problema acomete mais mulheres que homens, mais ocidentais que orientais e tem maior prevalência em grávidas, pessoas com falência renal, deficiência de ferro e idosos. Há também indícios de histórico familiar com fatores genéticos envolvidos.

Quais as causas e como tratar?

A síndrome das pernas inquietas primária é a mais comum, sendo uma condição para a vida toda e que os sintomas pioram com o tempoSua causa ainda não está muito bem elucidada. Já a SPI secundária é provocada por alguma outra condição patológica ou por alguns medicamentos –para falência renal, diabetes, Parkinson e artrite, por exemplo. Os sintomas desaparecem quando a pessoa melhora da doença ou quando deixa de usar o remédio.

O tratamento tem de ser indicado por um médico especialista, que prescreverá fármacos de acordo com os sintomas do paciente. Já o tratamento não medicamentoso, de acordo com estudos, consiste em identificar fatores que agravam os sintomas, de forma a modificá-los ou eliminá-los, como:

  • Evitar o consumo de substâncias que podem piorar a síndrome, como álcool, cafeína, nicotina, antidepressivos de uso indiscriminado etc.;
  • Realizar exercícios moderados ao longo do dia e atividades mentais, como quebra-cabeça, palavras cruzadas, caça-palavras e jogos que estimulem a capacidade de raciocínio nas horas de descanso;
  • Adotar bons hábitos de sono, com uma rotina de horários fixos para se deitar e se levantar;
  • Restringir a cama apenas para dormir e para intimidades –não para ver televisão;
  • Evitar atividades perturbadoras antes de dormir e noites sem dormir;
  • Manter o quarto em silêncio e escuro;
  • Não usar celular na cama antes de dormir.
Referências:
– Grupo Brasileiro de Estudos em Síndrome das Pernas Inquietas (GBE-SPI). Síndrome das Pernas Inquietas. Arq Neuropsiquiatr 2007;65(3-a).
– Aloe, F.; et al. Restless Legs Syndrome. Artigo de revisão. REVISTA NEUROCI NCIAS V14 N4 – OUT/DEZ, 2006 (204-213).
– Masuko, A. H.; et al. Síndrome das Pernas Inquietas. Artigo de revisão. Neurociências. doi:10.4181/RNC.2004.12.18.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.