menu

Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Hérnia de disco afeta 39% das pessoas com dor lombar crônica; veja causas

Paola Machado

2007-03-20T19:04:00

07/03/2019 04h00

Crédito: iStock

A hérnia de disco é uma das doenças degenerativas da coluna vertebral mais frequentes e afeta cerca de 39% das pessoas com dor lombar crônica. Pode causar, além do quadro de dor, acometimento em raízes nervosas e limitação de movimentos.

Antes de entender como ocorre a hérnia de disco é importante compreender que a coluna é composta por 33 vértebras, e entre cada vértebra encontramos o Disco Intervertebral. A principal função do disco é distribuir e suportar as cargas impostas à coluna e proporcionar flexibilidade e resistência aos movimentos, o que o torna um grande aliado de uma coluna saudável.

Você sabia que o disco intervertebral influencia a nossa altura?

O disco intervertebral representa de 20% a 33% da altura da coluna. O disco é constituído por duas estruturas:

  • Núcleo pulposo corresponde à parte central do disco, um gel semifluido composto por 70% de água, o que garante resistência à compressão e absorção de impactos;
  • Ânulo fibroso que corresponde à parte externa do disco, revestindo o núcleo pulposo, e consiste em um tecido mais fibroso e denso, rico em colágeno tipo 1, que proporciona resistência aos movimentos de torção, tensão e carga axial.

O que é hérnia de disco?

É o deslocamento anormal do disco no espaço entre as vértebras, que pode ocorrer em qualquer segmento da coluna, mas principalmente nas regiões que apresentam maior mobilidade, como a região cervical e a lombar. Pode vir acompanhado ou não de extravasamento do núcleo pulposo. O deslocamento pode levar à compressão do canal vertebral e de nervos periféricos que saem da coluna para levar o impulso nervoso para outras partes do corpo.

Sintomas

As pessoas com hérnia de disco podem apresentar dores na coluna e pode haver espasmo da musculatura, resultando em compensações posturais que levam à escoliose antálgica. A dor pode estar acompanhada ou não de alterações nas raízes nervosas, como irradiações para os membros superiores ou membros inferiores, o que dependerá da localização da hérnia no segmento da coluna.

A região lombar é a mais acometida, podendo levar à ciatalgia, a famosa "dor no ciático", que se estende da coluna até o membro inferior, causada por compressão ou irritação no nervo ciático. Ela pode evoluir com dor e fraqueza muscular em uma perna ou em ambas.

Quais as causas da hérnia de disco?

A degeneração dos discos intervertebrais aparece como um dos problemas. É muito comum por ser um processo contínuo e progressivo com a idade, mas pode variar entre indivíduos. O processo inicia-se com a desidratação do disco e pode desencadear em uma hérnia de disco.

Além disso, existem outros fatores de risco, sendo eles:

  • Traumáticos.
  • Genéticos.
  • Ambientais, posturais, desequilíbrios musculares. Oriundos de hábitos como sobrecarga de peso, demasiado período de tempo em um único posicionamento que leva a limitação de movimento e fraqueza muscular, tabagismo, entre outros hábitos.

Como saber se tenho hérnia de disco?

Para o diagnóstico médico, a ressonância magnética é o exame mais indicado, associado à coleta da história clínica e exame físico de cada paciente. O tratamento pode ser conservador ou cirúrgico.

O que fazer para prevenir a hérnia de disco?

Manter qualidade de vida com hábitos saudáveis, evitar o sedentarismo com a prática de exercícios físicos regulares sob supervisão de um profissional qualificado e evitar esforço físico inadequado, são as principais formas de prevenir a hérnia de disco.

Tratamento

A maior partes das hérnias discais diminui de tamanho com o tempo, principalmente as hérnias maiores, pois o material é reabsorvido por mediadores inflamatórios e imunológicos locais.

O tratamento inicial é o conservador e tem como base a fisioterapia em associação ao tratamento medicamentoso prescrito pelo médico.

O objetivo é conter o quadro e associar a cinesioterapia (terapia através de movimentos) de forma precoce para reabilitar e promover o retorno às atividades.

Além disso, durante a fisioterapia deve ocorrer a progressão envolvendo exercícios de estabilização. Estudos recentes mostram que exercícios de estabilização e controle motor apresentam mais benefícios que recursos eletrofísicos, como o famoso "choquinho", no tratamento de pacientes com hérnia de disco, com alívio de dor e melhora funcional.

Em 60% a 90% dos pacientes o tratamento conservador é bem-sucedido. Mais: 66,6% dos casos de hérnia de disco são reabsorvidos e em caso de dor no nervo ciático, há um melhora em 50% dos pacientes.

Já em caso de comprometimento neurológico, síndrome da cauda equina, mielopatia ou falha do tratamento conservador, a cirurgia torna-se o tratamento mais indicado.

Em caso de dor na coluna, com irradiação da dor para membros superiores ou inferiores, procure um profissional da área da saúde capacitado para te ajudar.

*Colaboração da fisioterapeuta doutora em Ciência da Saúde pela Unifesp Renata Luri e da fisioterapeuta especializada em afecções da coluna vertebral Dra. Thais de Almeida.

Referências:
– Adams MA, Dolan P. Spine biomechanics. J Biomech. 2005.
– CHIU, Chun-Chieh et al. The probability of spontaneous regression of lumbar herniated disc: a systematic review. Clinicalrehabilitation, v. 29, n. 2, p. 184-195, 2015.
– FRANÇA, Fábio Jorge Renovato et al. Motor Control Training Compared to Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation in Patients with Disc Herniation with Associated Radiculopathy: A Randomized Controlled Trial. American journalofphysical medicine &rehabilitation, 2018.
– KAPANDJI, A. I. Fisiologia Articular Tronco e Coluna Vertebral. 5 edição. Editora Médica Panamericana. Rio de Janeiro (RJ), 2000.
– RAMOS, Luiz Armando Vidal et al. Comparison between transcutaneous electrical nerve stimulation and stabilization exercises in fatigue and transversusabdominis activation in patients with lumbar disk herniation: A randomized study. Journal of manipulative and physiological therapeutics, v. 41, n. 4, p. 323-331, 2018.
– Rhee JM, Schaufele M, Abu W. Radiculopathy and the herniated lumbar disc. J Bone Joint Surg Am. 2006.
– MING ZHONG, M. D.; LIU, Jin Tao. Incidence of spontaneous resorption of lumbar disc herniation: a meta-analysis. Painphysician, v. 20, p. E45-E52, 2017.
– MONUMENT, Michael J.; SALO, Paul T. Spontaneous regression of a lumbar disk herniation. CMAJ, v. 183, n. 7, p. 823-823, 2011.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.