Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Será que a culpa do seu ganho de peso é da falta de boas horas de sono?

Paola Machado

2018-03-20T19:04:00

18/03/2019 04h00

Crédito: iStock

O sono exerce inúmeras funções no nosso organismo, tais como homeostase corporal, conservação de energia, consolidação da memória, regulação neuroendócrina, metabólica e hormonal.

A redução da duração do sono tem se tornado uma característica da sociedade moderna, e hoje dormimos cerca de uma a duas horas a menos do que a algumas décadas atrás.

Estudos em laboratórios e epidemiológicos têm documentado de maneira expressiva efeitos fisiopatológicos da redução do tempo de sono com uma constelação de alterações, incluindo problemas cardiovasculares e metabólicos, prejuízo no rendimento físico e intelectual, alterações no humor e no comportamento alimentar, assim como o desenvolvimento da obesidade.

A relação da privação de sono e obesidade

Estudos vêm mostrando que a redução do sono pode levar à obesidade por meio da desregulação dos hormônios do apetite, como a leptina (responsável pela saciedade) e grelina (responsável pela fome).

Indivíduos que foram submetidos a uma restrição do sono durante uma semana, por exemplo, apresentavam uma redução de 19% da leptina.

Já a grelina sofre aumento com a restrição de sono. Ao compararem homens e mulheres que dormiam cinco horas por noite com quem dormia oito horas, cientistas observaram um aumento de 15% nos valores de grelina.

Essas mudanças nos níveis de grelina e leptina podem levar com a uma alteração no padrão alimentar, variando desde a quantidade de comida ingerida até a preferência por refeições densamente calóricas. Um estudo realizado com adultos mostrou que a restrição de sono por dois dias (quatro horas por noite) resultou num aumento de 24% da fome e em 32% a preferência por alimentos ricos em carboidratos.

Outra hipótese sobre a relação entre falta de horas de sono e ganho de peso é a alteração no gasto energético, uma vez que indivíduos restritos de sono possuem maior grau de fadiga e sonolência, reduzindo a disposição para realizar atividades fisicas. No entanto, os resultados ainda são controversos na literatura quanto a influência da restrição de sono no gasto energético.

Sono na obesidade

A obesidade está associada com a sonolência escessiva diurna (SED) e pode ser um fator importante subjacente à atual epidemia de fadiga e sonolência nas sociedades modernas.

Indivíduos obesos possuem uma menor latência do sono pela manhã e maior latência do sono no período noturno, além de uma maior fragmentação do sono, o que explicaria essa ascociação com a SED. Um estudo recente em uma grande amostra mostrou que a obesidade é um fator de risco significativo para a SED, independentemente de distúrbios respiratórios do sono e idade.

Além disso, hoje já é muito bem descrito na literatura que a obesidade é um fator de risco para os distúrbios respiratórios do sono, entre eles a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS). É uma condição crônica caracterizada por obstruções totais (apneias) ou parciais das vias aéreas superiores durante o sono, levando a hipoxemia significativa e despertares recorrentes. Se não tratado, o problema A pode resultar em sérias morbidades neurocomportamentais, cardiovasculares, sonolência excessiva diurna e doenças metabólicas.

O problema tem sintomas como hipersonolência diurna, cansaço, indisposição, falta de atenção, redução da memória, depressão, diminuição dos reflexos e sensação de perda da capacidade de organização. Algumas caracterísicas são pausas na respiração, ronco, engasgo, gemidos expiratórios (catatrenia).

É importante ressaltar que a obesidade é um fator de risco tanto para a síndrome de apneia obstrutiva como para o ronco, e que ambas as patologias podem prejudicar a qualidade do sono.

Referências:
– Sono e obesidade. / Flávia Campos Corgosinho. –1. ed. – São Paulo: Weight Science, 2014.
– Boivin DB, Czeisler CA. Resetting of circadian melatonin and cortisol rhythms in humans by ordinary room light. Neuroreport 1998; 9(5):779-82.
– Carskadon MA. Sleep's effects on cognition and learning in adolescence. Progress in Brain Research 2011; 190:137-43.
– Crispim CA, Zalcman I, Dáttilo M, Padilha HG, Edwards B, Waterhouse J, Tufik S, De Mello MT. The influence of sleep and sleep loss upon food intake and metabolism. Nutrition Research Reviews 2007a; 20:195-212.
– Dâmaso AR. Obesidade. 2ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009, v. 1.
de Mello MT, Bittencourt LRA, Pires MLN, Silva RS, Tufik S. SONO: Aspectos profissionais e suas interfaces na saúde. 01ed.Rio de Janeiro: Editora Atheneu, 2008, v. 01.
– Knutson KL, Spiegel K, Penev P, Van Cauter E. The metabolic consequences of sleep depriva- tion. Sleep Medicine Reviews 2007b; 11(3): 163-78.
– Leproult R, Van Cauter E. Role of sleep and sleep loss in hormonal release and metabolism. Endocr Dev. 2010;17:11-21.
– Spiegel K, Tasali E, Penev Plamen, Van Cauter E. Brief Communication: Sleep Curtailment in Healthy Young Men Is Associated with Decreased Leptin Levels, Elevated Ghrelin Levels, and Increased Hunger and Appetite. Annals of International Medicine 2004; 141(11): 846-50.
– Taheri S, Lin L, Austin D, Young T, Mignot E. Short sleep duration is associated with reduced leptin, elevated ghrelin, and increased body mass index. Plos Med 2004; 1(3):e62.
– Van Cauter E, Holmback U, Knutson K, Leproult R, Miller A, Nedeltcheva A, Pannain S, Penev P, Tasali E, Spiegel K. Impact of sleep and sleep loss on neuroendocrine and metabolic func- tion. Hormone Research 2007;67:2-9.
– Van Cauter E. Sleep disturbances and insulin resistance. Diabet Med. 2011 ;28(12):1455-62.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.