Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Aprenda a montar lanches saudáveis para as crianças, sem excesso de açúcar

Paola Machado

2014-05-20T19:04:00

14/05/2019 04h00

Crédito: iStock

Os hábitos alimentares na infância desempenham importante papel na prevenção e no tratamento das doenças crônico-degenerativas não transmissíveis, as quais acometem crianças e adolescentes em fases cada vez mais precoces.

O comportamento alimentar se origina na infância, sendo influenciado diretamente pela família, pelo ambiente escolar e por fatores econômicos, sociais e culturais. Desta forma, as práticas alimentares adquiridas na infância, em especial no ambiente escolar, devem ser pautadas em escolhas alimentares que promovam a saúde e previnam doenças futuras.

Panorama dos lanches das crianças brasileiras

Estudos científicos nacionais investigaram o perfil dos lanches de mais de 1300 crianças de 4 a 6 anos e revelaram que no lanche da manhã os principais grupos de alimentos são frutas em geral (40,3%), biscoitos em geral (33,3%) e iogurtes em geral (22,3%). No grupo de biscoitos, o tipo doce foi consumido com maior frequência, sendo o biscoito doce sem recheio o mais frequente. Cerca de 6% das crianças brasileiras consumiram balas e/ou pirulitos no lanche da manhã.

No lanche da tarde, surpreendentemente, os resultados mostraram que o grupo que aparece como o mais frequente foi o dos biscoitos em geral (79,4%), seguido pelo grupo das frutas em geral (58,1%) e dos iogurtes em geral (41,3%).

O consumo de alimentos com alto teor de açúcares de adição (como balas, sorvetes e chocolates) aparece com frequência superior a 5% no lanche da tarde. A frequência de consumo destes grupos entre as crianças brasileiras foi de 20,5% para o grupo das balas e/ou pirulitos, 17,8% para o grupo dos sorvetes e sobremesas lácteas e de 16,8% para o chocolate. A análise revelou que o consumo de açúcar de adição foi expressivo nos lanches intermediários, uma vez que se aproxima do limite recomendado pela OMS, cerca de 22,5 g/dia.

Como deve ser o lanche saudável para as crianças

Como todas as refeições, os lanches devem ser planejados de acordo com a necessidade da criança. Em recente publicação, a Sociedade Brasileira de Pediatria, sugere que os lanches intermediários da manhã e tarde devem suprir de 10% a 15% das necessidades nutricionais diárias. Assim, a lancheira da criança deverá conter a porcentagem de calorias equivalente à colação ou ao lanche vespertino.

Como montar a lancheira saudável?

A lancheira da criança deve ser composta por alguns grupos alimentares:

  • Um líquido Para repor as perdas nas atividades físicas. Especialmente água.
  • Uma fruta Que sejam práticas de consumir com casca ou cuja casca pode ser retirada com facilidade — maçã, banana, pera, morango, uva.
  • Um tipo de carboidrato Para fornecer energia, como pães — integral, fôrma, sírio –, bolachas sem recheio, bolos caseiros. Cuidado com a quantidade, pois é apenas parte do lanche.
  • Um tipo de proteína Preferencialmente proteínas lácteas, como queijos, iogurtes, leite.

O que não incluir na lancheira?

  • Balas.
  • Bolachas recheadas e/ou com gordura trans.
  • Bolos com recheios e cremes.
  • Bolos industrializados.
  • Bombons e chocolates.
  • Embutidos, como presunto, mortadela, peito de peru, etc.
  • Frituras.
  • Isotônicos.
  • Refrigerantes.
  • Snacks.
  • Salgadinhos de pacote.
  • Sucos artificiais de caixinha, lata e em pó.

Orientações gerais para uma lancheira saudável

  • Optar os alimentos integrais, ricos em fibras, ao invés de refinados, como aqueles preparados com farinha branca. Priorize a oferta de pães ou bolos caseiros preparados com farinha integral.
  • Estimular o consumo diário e variado de frutas. Proporcionar a oferta de frutas diferentes ao longo da semana.
  • Ao escolher os alimentos que comporão a lancheira, considerar os aspectos sensoriais — apresentação, cor, texturas, cheiro — e o ambiente onde será realizada a refeição — facilidade de consumo, transporte e armazenamento do alimento.
  • Evitar a oferta de bebidas açucaradas, como sucos adoçados, sucos artificiais, achocolatados, bebidas fermentadas e lácteas.
  • Não ofereça refrigerantes.
  • É importante cuidar da higiene. Algumas recomendações são importantes, como: guardar os alimentos embalados separadamente, mandar as frutas lavadas e secas e utilizar lancheiras térmicas, iogurtes devidamente acondicionados e guardados em geladeira até o consumo.
  • Os lanches devem ser servidos em horários regulares, seguindo padrão de horários de acordo com a rotina da criança, para que a mesma sinta fome antes da oferta da refeição.
  • Evitar oferecer ou deixar a criança alimentar-se sempre que deseja, pois essa inadequação não permite o desenvolvimento do padrão fome-saciedade.

*Colaboração pela nutricionista e pesquisadora Dra. Deborah Masquio (UNIFESP)

Referências:
– Sociedade Brasileira de Pediatria – Departamento de Nutrologia. Manual Lanches Saudáveis.
– Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Nutrologia. – 2ªed. – São Paulo: SBP, 2018.
– De Piano A, Caramico-Favero D, Masquio DCL, Balchiunas RE. Cardápio para crianças em idade escolar. Lancheira Saudável. In.: Chemin S e Martinez S. Cardapios: Guia prático para elaboração. 2019.
– Fisberg M, Del'Arco APWT, Previdelli A, Tosatti AM, Nogueira-de Almeida CA. Hábito alimentar nos lanches intermediários de crianças pré-escolares brasileiras: estudo em amostra nacional representativa. Int J Nutrol. 2015;8:58-71.
– Fisberg M, Previdelli AN, Del'Arco APWT, Tosatti A, Nogueira-de-Almeida CA. Hábito alimentar nos lanches intermediários de crianças escolares brasileiras de 7 a 11 anos: estudo em amostra nacional representativa. Int J Nutrol. 2017;9:225-36.
– Manual do lanche saudável / Virginia Resende Silva Weffort… [et al.]. – São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Nutrologia, 2011.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.