Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Canelite: entenda o que é e como saber se você tem o problema

Paola Machado

2006-06-20T19:04:00

06/06/2019 04h00

Crédito: iStock

A prática de corrida tanto de média quanto de longa distância vem crescendo em todo o mundo. Os efeitos da prática são inúmeros, como a melhora da aptidão cardiorrespiratória, liberação de endorfina, entre muitos outros benefícios. No entanto, é nesse mesmo movimento que se tem observado também um aumento da incidência de lesões relacionadas ao esporte.

No geral, a chance de se lesionar ocorre quando não há orientação ou condições adequadas para a prática. É importante entender que antes de iniciar a corrida, o corpo precisa se adaptar para suportar as cargas e o impacto sofrido com a descarga de peso. Porém, um erro comum que encontramos nos consultórios são pessoas que iniciaram a corrida e que se lesionaram devido à falta de fortalecimento ou amplitude de movimento. De forma geral, as lesões acontecem principalmente quando as pessoas superestimam sua capacidade física, ou quando os treinos são intensos e de longa duração, sem tempo de recuperação ou preparo físico.

O que é a canelite?

A síndrome do estresse tibial medial (MTSS), popularmente conhecida como "canelite", é uma lesão presente em cerca de 35% dos atletas e corredores, sendo uma entre as três lesões mais comuns encontradas em corredores.

Trata-se de uma inflamação próxima aos tendões que causa dor na perna — onde se encontra o osso da tíbia ou osso da "canela" — durante a caminhada ou corrida. Essa porção de face interna da perna é a região que sofre maior sobrecarga em atividades de alto impacto. Por isso, a canelite acomete geralmente corredores e atletas envolvidos em esportes com salto e impacto.

Quais os sintomas e a gravidade relaciona à canelite?

Além da dor, há também inchaço e sensibilidade na região. Em situações mais graves, a sobrecarga pode levar a fraturas por estresse, provocando dores localizadas e intensas que permanecem mesmo após a interrupção da atividade.

Quais as três principais causas da canelite?

A canelite ocorre principalmente por estresse de repetição e há fatores de risco que podem predispor como:

  • Pronação excessiva dos pés (quando há a queda do arco plantar).
  • Diminuição da resistência muscular do tornozelo e diminuição de força e resistência dos músculos de membros inferiores.
  • Contração inadequada do músculo sóleo — o sóleo é um dos músculos da panturrilha com função de impulsão do tornozelo durante a corrida. Na canelite, esse músculo se contrai de forma ineficiente ou antecipadamente, aumentando o estresse nos ossos da tíbia (canela).

5 Dicas Importantes para prevenção

  1. Busque um profissional para orientação: alinhar volume e intensidade dos treinamentos, e garantir a preparação física adequada antes de se iniciar a prática. Lembre-se que o fortalecimento das estruturas musculares, o alongamento e o aquecimento são de extrema importância.
  2. Pense na panturrilha como sua aliada: a panturrilha pode atuar como protetora e amortecedora. Por isso, fortaleça e alongue a musculatura da região.
  3. Invista em exercícios para a musculatura intrínseca de pés e tornozelos. Além de exercícios de fortalecimento, estimule seu equilíbrio e propriocepção — percepção do corpo no espaço — para prevenir não apenas a canelite, mas muitas outras lesões.
  4. Evite treinar em terrenos acidentados, instáveis ou em superfícies que aumentam o impacto na região da tíbia.
  5. A última dica e mais importante é respeitar seu corpo – basta respeitar o volume do treino e se preparar fisicamente. Pratique atividades que possam garantir a estabilidade do seu corpo, o fortalecimento e alongamento. Invista em pilates, em musculação ou até natação. Além disso, vale investir em uma sessão de recuperação — recovery — com um profissional de saúde, caso faça um treino mais extenuante ou tenha que manter performance para uma competição. Através de técnicas de liberação miofascial e recursos de eletrotermofototerapia é possível otimizar a recuperação dos tecidos sob estresse fisiológico, auxiliando na remodelação muscular na fase de adaptação, prevenindo lesões e sobrecarga as estruturas.

Como saber se esse é meu diagnóstico?

Procure um profissional de saúde. O diagnóstico é feito com base no exame físico. Exames de imagens como tomografia computadorizada ou ressonância magnética podem ser realizados como diagnóstico complementar para descartar fraturas, ou outro tipo de síndromes de esforço ou neuropatias.

Onde procurar o tratamento adequado?

Ainda há poucos estudos sobre o tratamento ideal para a "canelite". Porém, o primeiro passo é suspender os treinos e diminuir a inflamação através de repouso, PRICE — técnica usada dentro da fisioterapia que já abordamos —, medicamentos com indicação médica — anti-inflamatórios — e a fisioterapia para analgesia e a recuperação do tecido.

O retorno às atividades físicas deve ser realizada de forma gradual, incluindo a reabilitação com exercícios de fortalecimento de músculos específicos da panturrilha e exercícios de alongamento, mobilidade e de equilíbrio neuromuscular. Estudos recentes apontam que o tratamento com exercícios específicos e correções nos padrões de movimento aumentam a remodelação dos músculos tibiais e sóleo, diminuindo as microlesões causadas pelo impacto durante a prática.

*Colaboração da fisioterapeuta e doutora pela UNIFESP Dra. Renata Luri

Dúvidas com relação ao texto? Clique aqui, sempre respondo pelo meu instagram — @machado_paola

Referências:
– Campos. C. A et al. Prevalência de lesão em corredores amadores. Revista de Pesquisa Brasileira em Ciência da Saúde. v.3, n.1 p:40-45, 2016.
– Moen; M. H et al. Medial Tibial Stress Syndrome. Sports Medicine, v. 39, n. 7, pp 523–546, 2009.
– Mattock, J; Steele, J. R; Mickle, K. J; A protocol to prospectively assess risk factors for medial tibial stress syndrome in distance runners. BMC Sports Science, Medicine and Rehabilitation, 2018.
– Moen; M. H et al. The treatment of medial tibial stress syndrome in athletes; a randomized clinical trial. Sports Medicine, Arthroscopy, Rehabilitation, Therapy & Technology, v.4, n.12, 2012.
– Alan. M. C. G et. Al. leg Kinesio tape reduces rate of loading in participants with medial tibial stress syndrome Physical Therapy in Sport. v.18, p: 62-67, 2016.
– Garcia. S. G et al. Shockwave treatment for medial tibial stress syndrome in military cadets: A single-blind randomized controlled trial. International Journal of Surgery. v. 46, p. 102-109, 2017.
– Bliekendaal S, et al. Incidence and risk factors of medial tibial stress syndrome: a prospective study in Physical Education Teacher Education students. BMJ Open Sport Exerc Med, 2018.
– Winters, M et al. Treatment of Medial Tibial Stress Syndrome: A Systematic Review. Sportsmed. Published online, 2013.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.