Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Maconha prejudica a prática esportiva? Há riscos da combinação à saúde?

Paola Machado

2021-06-20T19:04:00

21/06/2019 04h00

Crédito: iStock

Uma vez, li uma reportagem sobre um ciclista do Reino Unido que pedalava quilômetros sob efeito da maconha. E uma das frases que ele utilizou foi: "Há uma percepção negativa sobre as pessoas que usam cannabis em comparação com aqueles que utilizam álcool, mas o álcool é mais prejudicial". Será? Pensando em treinamento e em saúde —não estou aqui falando de medicina alternativa e uso de cannabis para tratamentos específicos —, não há como dizer que uma substância é "menos pior".

Por mais que muitos atletas  amadores –e até alguns profissionais — acreditem que a maconha ajude a aumentar a resistência no exercício e a aliviar a dor durante e depois do esporte, estudos não comprovam esses benefícios e ainda mostram que a combinação da droga com a atividade física pode trazer diversos efeitos colaterais –assim como a combinação com o álcool. 

Uma das razões para isso é que a maconha e o exercício têm ação bem contraditória: enquanto a droga mantém a pessoa em efeito sedativo, o treino a deixa ligada, com a adrenalina a mil. Ações antagônicas sempre causam uma confusão para nosso corpo —a exemplo da combinação vodca e energético, um inibindo e outro mantendo ativo. Além do mais, o aumento do apetite por qualquer alimento induzido pelo cannabis segue o contrassenso dos benefícios do treinamento.

Falando cientificamente, qual efeito da maconha no exercício?

Os estudos com cannabis são reduzidos, pois como a substância é ilícita, as pesquisas científicas têm muitas restrições e cuidados com o tema. O que se sabe é que, enquanto a pessoa fuma, e por cerca de uma hora depois, a maconha faz com que a frequência cardíaca aumente, ocasionando uma elevação da pressão arterial e, posteriormente, um risco elevado de ataque cardíaco. Esses efeitos são dependentes da dose. Ou seja, quanto mais maconha for utilizada, maiores serão os prejuízos no sistema cardiovascular. Por isso, fumar maconha é arriscado para pessoas com alto risco de doenças cardíacas. Quanto maior o risco subjacente devido à idade, pressão arterial, diabetes etc., maior o risco potencial da maconha.

Agora, imagine alguém usar maconha e ir realizar um treino intenso, que exige bastante do coração. Mesmo sendo um indivíduo saudável, as mudanças na pressão arterial e frequência cardíaca durante o exercício têm o potencial de causar tontura, quedas e até um infarto.

Além das interações cardiovasculares, existem outras considerações de saúde quando existe o uso indiscriminado de maconha combinado ao exercício. Os efeitos eufóricos e sedativos da maconha também podem ser prejudiciais e até perigoso em um treino. A droga pode reduzir a coordenação durante a atividade física e aumentar o risco de traumas, acidentes etc. Para os jovens, esses problemas provavelmente são mais preocupantes do que as doenças cardiovasculares.

Mais: evidências mostram que os compostos canabinoides encontrados na maconha afetam a percepção da dor e do desconforto. A redução de percepção de dor pode causar lesões severas, overreaching, overtraining e até mesmo efeitos adversos e irreversíveis para o organismo daquela pessoa.

*Qualquer dúvida, entrar em contato pelo meu Instagram clicando aqui: @machado_paola

Referências:
– Sidney, S. Cardiovascular Consequences of Marijuana Use. The Journal of clinical pharmacology. Volume42, IssueS1. Pages 64S-70S. November 2002.
– Meier, M.H. Associations Between Cannabis Use and Physical Health Problems in Early Midlife: A Longitudinal Comparison of Persistent Cannabis vs Tobacco Users. JAMA Psychiatry. 2016 Jul 1;73(7):731-40. doi: 10.1001/jamapsychiatry.2016.0637.
– Reis, J.P. Cumulative Lifetime Marijuana Use and Incident Cardiovascular Disease in Middle Age: The Coronary Artery Risk Development in Young Adults (CARDIA) Study. Am J Public Health. 2017 Apr;107(4):601-606. doi: 10.2105/AJPH.2017.303654. Epub 2017 Feb 16.
– Mittleman, M.A. Triggering myocardial infarction by marijuana. Circulation. 2001 Jun 12;103(23):2805-9.
– Brain imaging insight into cannabis as a pain killer. UNIVERSITY OF OXFORD. 2012.
– Barkai, O.; et al. Platelet-derived growth factor activates nociceptive neurons by inhibiting M-current and contributes to inflammatory pain. PAIN: June 2019 – Volume 160 – Issue 6 – p 1281–1296
– Bloomfield, M.; et al. Dopaminergic Function in Cannabis Users and Its Relationship to Cannabis-Induced Psychotic Symptoms. Biological Psychiatry, Available online 29 June 2013 http://dx.doi.org/10.1016/j.biopsych.2013.05.027
– Golwala, H. Marijuana abuse and bullous emphysema. Lung India, 29(1) 56-58. 2012.
– Orsini, J.; et al. Prolonged cardiac arrest complicating a massive ST-segment elevation myocardial infarction associated with marijuana consumption. Journal of Community Hospital Internal Medicine Perspectives, 6(4). 2016.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.