Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Dor na lateral do joelho ao correr? Entenda a síndrome da banda iliotibial

Paola Machado

23/07/2019 04h00

Crédito: iStock

A síndrome da banda iliotibial (SBIT) é uma das causas mais comuns de dor na parte lateral do joelho. Geralmente afeta praticantes de atividades físicas que envolvem flexo-extensão (dobrar e esticar) do joelho em um ciclo rápido e repetitivo. Por isso, é uma das lesões mais comuns em corredores. Também pode ocorrer em ciclistas, nadadores e jogadores de basquete e futebol.

Na última década, os consultórios apresentaram uma elevação de pessoas procurando por tratamento para a SBIT, o que pode estar relacionado ao aumento de corredores pelo mundo. A lesão afeta mais mulheres e raramente ocorre em pessoas sedentárias.

Entenda o que é a SBIT?

A banda Iliotibial é a continuação dos músculos do quadril (tensor da fáscia lata, glúteo médio e máximo), formando uma fáscia que se insere nos ossos da perna (tíbia, fêmur e patela).

Não há um consenso sobre a etiologia, mas acredita-se que há múltiplos fatores. Uma das teorias refere-se ao atrito da banda com a lateral do fêmur (osso da coxa), em uma região chamada de epicôndilo lateral. Movimentos repetitivos de flexo-extensão do joelho poderiam levar a uma inflamação na área de contato. Outra teoria é a inflamação crônica da bursa entre a banda e o epicôndilo lateral.

Os fatores de risco para a SBIT são:

  • Fatores modificáveis Corrida em superfície inclinada e em montanhas, erros na técnica de treinamento, mudanças abruptas da intensidade do treinamento, flexibilidade reduzida e fraqueza muscular (em especial dos músculos abdutores do quadril).
  • Fatores anatômicos Rotação interna da tíbia, pronação excessiva do pé, diferença no comprimento das pernas e aumento da proeminência dos epicôndilos laterais.

O diagnóstico é clínico e dificilmente requer exames de imagem. Testes físicos específicos são feitos para auxiliar no diagnóstico. A radiografia pode ser solicitada para descartar outras patologias, como fraturas ou osteoartrite. Em radiografias de pacientes que apresentam somente a SBIT, a radiografia estará normal.

Sintomas e sinais

  1. Dor lateral do joelho, com história de mudança recente em atividades aeróbicas prolongadas.
  2. Dor pode aparecer ao final ou início da atividade, também pode ocorrer em repouso.
  3. Ao palpar a banda, na região mais próxima ao joelho, pode apresentar dor e crepitação em amplitudes de movimento.

Como tratar a síndrome?

O tratamento inicial é conservador e envolve uma abordagem multidisciplinar. O primeiro passo é interromper a atividade física. A crioterapia (gelo) pode ser feita na fase aguda. Podem ser prescritos anti-inflamatórios não esteroides e injeções de corticoesteróides para controlar dor e inflamação.

A fisioterapia faz parte do tratamento com o objetivo de liberar contraturas, fortalecer e alongar as musculaturas envolvidas e treinar os gestos esportivos.

Entre 4 e 8 semanas, 50% a 90% das pessoas em tratamento conservador conseguem retornar às suas atividades. O retorno à atividade deve ser de forma gradual, sem dor na atividade e sem dor à palpação.

Caso após 6 meses ainda haja a persistência dos sintomas, há indicação cirúrgica. Por isso, vale a pena seguir o tratamento conservador e acompanhar com seu médico.

O mais importante é a adesão ao tratamento como a chave para a recuperação. A educação sobre os processo de recuperação é importante para entender que pode ocorrer recidivas quando houver retorno à atividade. O acompanhamento dos profissionais de saúde é necessário para prevenir a progressão e recidiva da SBIT.

*Colaboração da fisioterapeuta Doutora em Ciências da Saúde, Dra. Renata Luri e da fisioterapeuta especializada em Coluna, Dra. Thais Almeida

Referências:
– Hadeed A, Tapscott DC. Iliotibial Band Friction Syndrome. 2019 May 29.
– StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan
Aderem J, Louw QA. Biomechanical risk factors associated with iliotibial band
syndrome in runners: a systematic review. BMC Musculoskelet Disord. 2015 Nov 16;16:356. doi: 10.1186/s12891-015-0808-7. Review.
– Falvey EC, Clark RA, Franklyn-Miller A, Bryant AL, Briggs C, McCrory PR. Iliotibial band syndrome: an examination of the evidence behind a number of treatment options. Scand J Med Sci Sports. 2010 Aug;20(4):580-7
– Ferber R, Noehren B, Hamill J, Davis IS. Competitive female runners with a history of iliotibial band syndrome demonstrate atypical hip and knee kinematics. J Orthop Sports Phys Ther. 2010 Feb;40(2):52-8
– Strauss EJ, Kim S, Calcei JG, Park D. Iliotibial band syndrome: evaluation and management. J Am Acad Orthop Surg. 2011 Dec;19(12):728-36

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.