Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Mais saúde, confiança, sono: veja 6 benefícios da natação para bebês

Paola Machado

09/08/2019 04h00

Crédito: iStock

Sempre tentamos fazer o melhor pelos nossos pequeninos. Lembro-me, como se fosse ontem, quando o Nico nasceu e, logo que pude, o coloquei na aula de natação pensando em seu processo de desenvolvimento  —o mesmo fiz com a Lolo.

Existem diversos benefícios da natação na infância, pois estar na água faz com que o corpo do bebê fique envolvido de uma forma completamente única, estimuando a criação de diversos neurônios e sinapses enquanto a criança chuta, desliza e realiza movimentações na água.

Por conta da sensibilidade do sistema de defesa dos bebês, a recomendação para os pais é que realizem a prática em piscinas devidamente cloradas até, pelo menos, os seis meses de idade. Se há liberação do pediatra, quanto mais novo o bebê, maior a facilidade de desenvolver sentimentos positivos com a água (quanto mais demoramos para fazer essa adaptação, mais as crianças podem ter medo do ambiente).

Mais novos, os pequenos também têm  uma maior facilidade de flutuar de aprender as movimentações básicas, pois a maioria delas são habilidades por instinto.

A seguir, explico os principais  benefícios da natação para bebês, que são inúmeros.

Melhora o funcionamento cognitivo

Movimentos com padrões cruzados e bilaterais, que usam os dois lados do corpo para realizar uma ação, ajudam o desenvolvimento do cérebro do bebê e também auxiliam no aumento de neurônios em todo o cérebro — principalmente no corpo caloso. Isso facilita a comunicação, o feedback e a modulação de um lado do cérebro para outro, melhorando diversos aspectos, como habilidades de leitura, desenvolvimento da linguagem, aprendizado e percepção de espaço.

A coordenação para a flutuabilidade na água, além de toda a respiração e ir contra a resistência do líquido, faz com que o bebê mova os braços e as pernas com eficiência. Realizando essas movimentações — mesmo que como um instinto de sobrevivência — faz com que o cérebro registre novas sensações e sentidos.

Um estudo realizado na Austrália, que durou cerca de quatro anos com mais de 7.000 crianças, sugeriu que as crianças que realizam a natação têm avanços no desenvolvimento físico e mental quando comparadas com crianças que não nadam.

Especificamente, as crianças de 3 a 5 anos que nadavam estavam 11 meses à frente da população normal em habilidades verbais, seis meses à frente em habilidades matemáticas e dois meses à frente em habilidades de alfabetização. Eles também estavam 17 meses à frente no relato da história e 20 meses à frente na compreensão das direções.

Esse estudo conta com alguns viéses científicos, como patrocínio de uma instituição, relatos e falta de evidências em potencial, por isso são necessárias mais pesquisas, apesar de sabermos o quão é importante a natação no processo de desenvolvimento infantil.

Melhora a confiança

A maioria das aulas de natação para bebês inclui elementos como brincadeiras aquáticas, músicas e contato com seus cuidadores. As crianças interagem entre si e com o instrutor e aprendem, desde pequenininhas, a interagir em grupos. Esses elementos, além da diversão de aprender uma nova habilidade, podem aumentar a autoestima de seu bebê.

Um estudo de 2010 sugeriu que crianças de 4 anos de idade que haviam feito aulas de natação em algum momento, dos 2 meses aos 4 anos de idade, estavam mais adaptadas a novas situações, tinham mais autoconfiança e eram mais independentes do que as crianças que não nadavam.

Um estudo mais antigo reforçou essas descobertas, ilustrando que um programa que incluiu aulas de natação precoce durante todo o ano para participantes em idade pré-escolar estava associado a maior autocontrole, melhor autoestima e mais conforto em situações sociais do que crianças que não nadavam.

Melhora a saúde em geral

A natação ajuda a promover o desenvolvimento e o controle muscular, algo importante em bebês em uma idade jovem. Os pequenos precisarão desenvolver os músculos necessários para manter o pescoço firme, mover os braços e pernas e trabalhar o core em coordenação com o restante do corpo. Além disso, melhora a força, capacidade muscular e auxilia na movimentação das articulações.

A natação também é ótima para a saúde cardiovascular e ajudará a fortalecer o coração, os pulmões, o cérebro e os vasos sanguíneos do seu bebê.

Melhora a coordenação e o equilíbrio

Junto com a construção muscular, as aulas de natação podem ajudar seu bebê a melhorar sua coordenação e equilíbrio. Não é fácil aprender a mover os braços e as pernas em conjunto. Mesmo pequenos movimentos coordenados representam grandes saltos no desenvolvimento do seu bebê.

Um estudo descobriu que as aulas de natação podem ajudar a melhorar o comportamento das crianças à medida que crescem. O estudo não disse por que as crianças que têm aulas podem se comportar melhor fora da água, mas elas podem ser treinadas para ouvir um instrutor adulto antes de entrar na água e ser instruídas a seguir as instruções.

Melhora do sono e apetite

As aulas de natação requerem muita energia para os bebês. Eles estão em um novo ambiente usando o corpo de maneira completamente nova e, com isso, estão se movimentando para se manterem ativos. Toda essa atividade extra consome muita energia, então você pode notar que seu filho estará mais sonolento depois de uma aula de natação. Além do mais, todo esse esforço físico na água, assim como a energia que leva seus pequenos corpos para ficarem aquecidos, queimam muitas calorias. Você provavelmente notará um aumento no apetite do seu bebê depois do tempo normal de natação.

Pode reduzir acidentes por afogamento

O treinamento de natação pode reduzir o risco de afogamento em crianças com mais de 4 anos de idade. É importante reforçar que a natação não reduz o risco de afogamento em crianças menores de 1 ano, por isso é essencial os cuidados independentemente de qualquer coisa em todas as idades.

Segundo a Academia Americana de Pediatria (AAP), o afogamento é uma das principais causas de morte entre crianças e bebês. A maioria desses afogamentos em crianças menores de 4 anos ocorre em piscinas domésticas. Se você tem uma piscina, as primeiras aulas de natação podem ser úteis. Até os bebês mais novos podem aprender habilidades de natação, como flutuar de costas. Apesar de ser instintivo, crianças menores de 1 ano ainda não têm capacidade de decisão e tomada de atitude. Por isso, mesmo que o seu filho tenha tido aulas de natação, ele deve ser sempre supervisionado enquanto estiver na água.

Atenção em afogamentos secundários

O afogamento secundário —ou seco — é quando a pessoa (adulto ou criança) bebe ou inspira a água, mesmo sem se afogar. Essa pessoa consegue falar ou comer normalmente depois do processo, porém sente dores de cabeça, sonolência, cansaço, dor no peito, tosse, dificuldade de respirar, alterações cerebrais com dificuldade de se comunicar e febre.

Esses sintomas podem aparecer depois de 3 dias de um quase afogamento por inspirar a água da piscina, mar, lagos, ou inspirar a água no momento que está ingerindo ou mesmo inspirar o próprio vômito. Por isso, sempre é necessário prestar atenção nesses sinais e sintomas e procurar um pronto-atendimento, quando necessário.

Dicas gerais de segurança

  • Recém-nascidos e bebês nunca devem ser deixados sozinhos em torno de ambientes aquáticos como piscinas, banheiras, lagos, mar. É importante ter em mente que uma criança pode se afogar em apenas 25 milímetros de água. 
  • Para crianças com menos de 4 anos de idade, é melhor fazer a "supervisão por toque". Isso significa que um adulto deve estar perto o suficiente para segurá-lo o tempo todo.
  • Certifique-se sempre de que seu filho esteja sendo supervisionado por um adulto enquanto estiver nadando.
  • Aplique regras de segurança ao redor da piscina, como não correr ou empurrar os outros debaixo d'água.
  • Use um colete salva-vidas enquanto estiver em um barco. Não permita que sejam usados ​​brinquedos infláveis ​​ou colchões em vez de um colete salva-vidas.
  • Remova completamente a cobertura da sua piscina antes de nadar — se a sua piscina tiver uma cobertura.
  • Não ingira bebidas alcóolicas e elimine distrações — falando ao telefone, trabalhando em um computador — se estiver supervisionando crianças nadando.

Contanto que você esteja tomando todas as precauções necessárias e dando ao seu bebê toda a sua atenção, o tempo de natação pode ser perfeitamente seguro. Outro benefício para a natação infantil é que é uma maravilhosa experiência de união entre pais e filhos. Em nosso mundo agitado e acelerado, desacelerar para simplesmente aproveitar uma experiência juntos é raro. Nadar com nossos bebês nos leva ao momento presente enquanto ensinamos a eles importantes habilidades para a vida.

Referências:
– Sigmundsson, H.; et al. Baby swimming: exploring the effects of early intervention on subsequent motor abilities. Volume36, Issue3. Pages 428-430. 2010.
The benefits of baby swimming.
– Swimming lessons for infants and toddlers. Paediatr Child Health. Feb; 8(2): 113–114. 2003.
– Early Years Swimming, Adding Capital to Young Australians. Griffith Institute for Educational Research.
Unintentional Drowning: Get the Facts.
– Diem, L. Early Motor Stimulation and Personal Development. A Study of Four- to Six-Year-Old German Children. Academic Achievement and Physical Education. Volume 53, 1982 – Issue 9. 2013.
Drowning Prevention for Curious Toddlers: What Parents Need to Know.
– Brenner, R. A.; et al. Association Between Swimming Lessons and Drowning in Childhood. A Case-Control Study. Arch Pediatr Adolesc Med. 2009;163(3):203-210. doi:10.1001/archpediatrics.2008.563.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.