Mais informação com menos tempo de leitura

Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Meu bebê pode nascer prematuro se eu fizer exercícios na gestação?

Paola Machado

04/09/2019 04h00

Crédito: iStock

Hoje em dia é consenso que realizar exercícios na gravidez ajuda a melhorar a qualidade de vida da mãe e do bebê. Nos últimos anos, alguns obstetras tem encaminhado as gestantes para aprender exercícios que "facilitam" o parto. Mas muitas gestantes têm dúvidas e até medo de que esses exercícios possam de alguma forma antecipar e prejudicar o parto. Muitas acreditam que devem se exercitar somente na última semana para garantir que o bebê não nasça antes. Mas será que isso é mito ou há algum fundamento nessa crença?

Antes de se preocupar se os exercícios podem ou não provocar prematuridade é importante entender o que faz o corpo da mulher começar a entrar em trabalho de parto.

Primeiro, o maior choque… Você sabia que o parto é considerado uma grande inflamação?

Sim, saiba que no final da gestação o corpo começa a liberar pequenas doses de substâncias inflamatórias (como a th1/th2, hormônios CRH, macrófagos, prostaglandinas e citocinas) que fazem o útero contrair e dilatar o colo uterino. E esse quadro de inflamação vai aumentando até que o bebê nasça.

Então, é a mãe quem decide expulsar o bebê? Há processos a nível celular do feto, como o estresse oxidativo e células senescence da membrana fetal, que sinalizam o corpo da mãe a iniciar o parto. Mas há teorias que dizem que em partes é o corpo da mãe… já que parte da ideia de que o parto depende de um conjunto de fatores em interação como os hormônios da mãe (como CRH – em inglês: corticotropin-releasing hormone), o envelhecimento da placenta (células senescence) e o aumento da produção de receptores inflamatórios.

Agora que entendemos como o corpo entra em trabalho de parto normal, vamos entender o que pode de fato antecipá-lo.

Quem é o inimigo número 1 das gestantes?

O estresse. Está comprovado cientificamente que o estresse está envolvido no processo de prematuridade. Cientistas já comprovaram que o estresse libera cortisol, altera a imunidade da mãe e consequentemente afeta as vias inflamatórias do corpo.

E quais os fatores relacionados ao estresse?

O tabaco, a dieta inadequada e o abuso de substâncias também podem determinar prematuridade.

Além do estresse, podemos citar alguns outros problemas de saúde como:

  • Infecções
  • Colo uterino curto
  • Ruptura de membrana fetal
  • Pré-eclampsia
  • Hipertensão gestacional
  • Hemorragia
  • Redução da perfusão placentária
  • Perfil populacional: idade da gestante (muito nova ou de idade avançada)
  • Curto intervalo entre gestações
  • Fatores socioeconômicos que retardaram o início do acompanhamento pré-natal ou que não permitiram o acesso a essa assistência

Os exercícios da fisioterapia que a obstetra me indicou a fazer no terceiro trimestre irão me ajudar ou prejudicar?

Se a gestante não possui as complicações obstétricas ou perfil supracitados pode realizar os exercícios. Claro, é importante que seja feita uma avaliação individualizada para orientações adequadas.

Durante o atendimento o fisioterapeuta especializado em obstetrícia irá conduzir uma sessão que envolve exercícios de abertura pélvica, alongamento muscular, relaxamento do períneo, EPI-NO, consciência corporal e perineal, massagem corporal e perineal, além de exercícios de respiração e meditação.

Se analisarmos todas essas abordagens são ferramentas opostas ao estado de estresse. Assim, o foco da fisioterapia é fazer a gestante se sentir segura e aprender a fazer o manejo do estresse, a lidar com a dor e amenizar o medo.

Como? Através do desenvolvimento da consciência de como o corpo funciona e as mudanças que ocorrerão durante a gestação e parto.

  • Oferecer ferramentas para lidar com a dor e longos períodos de trabalho de parto
  • Desenvolver autoconfiança, força física e emocional
  • Fortalecer o vinculo mãe-bebê

Resumidamente, o parto é um trabalho em parceria da mãe abrindo caminho para o bebê nascer, e do bebê se mexer dentro do útero para achar o caminho.

E se você trabalha em um ritmo intenso ou se está passando por um período de estresse, fazer a fisioterapia obstétrica ajudará a diminuir o estresse, a ter uma gravidez mais saudável e ainda, facilitará o tempo de trabalho de parto. Então busque por profissionais especializados na sua cidade e tenha uma experiência ainda mais positiva da sua gestação.

*Fisioterapeuta Dra em Ciências da Saúde pela UNIFESP Renata Luri
Fisioterapeuta em Saúde da Mulher pela UNICAMP Dra Angela May @fisiodamulher.laposture

Referências:
– Cunningham FG, Leveno KJ, Bloom SL, Spong CY, Dashe JS, Hoffman BL, et al. Fisiologia do Trabalho de Parto. Porto Alegre; 2016. 408-32 p.
– Gabbe SG, Niebyl JR, Simpson JL, Landon MB, Galan HL, Jauniaux ERM, et al. Obstetrícia: Gravidez normal e patológica. 6a ed. Elsevier Editora L; 2015.
– Menon R. Initiation of human parturition: signaling from senescente fetal tissues via extracelular vesicle mediated paracine mechanism. Obstet Gynecol Sci. 2019; 62(4):199-211.
– Cha JM, Aronoff DM. A role for cellular senescence in birth timing. Cell Cycle. 2017; 16(21):2023-31.
– Kalantaridou S, Zoumakis E, Makrigiannakis A, Lavasidis L, Vrekoussis T, Chrousos G. Corticotropin-releasing hormone, stress and human reproduction: an update. J Reprod Immunol. 2010;85(1):33–9.
– Wahid H, Dorian C, Chin P, Hutchinson M, Rice K, Olson D, et al. Toll-Like Receptor 4 Is an Essential Upstream Regulator of On-Time Parturition and Perinatal Viability in Mice. Endocrinology. 2015;156(10):3828–41.
– Word R, Kamm K, Casey M. Contractile effects of prostaglandins, oxytocin, and endothelin-1 in human myometrium in vitro: refractoriness of myometrial tissue of pregnant women to prostaglandins E2 and F2 alpha. J Clin Endocrinol Metab. 1992;75(4):1027–32.
– Xu H, Gonzalez JM, Ofori E, Elovitz MA. Preventing cervical ripening : the primary mechanism by which progestational agents prevent preterm birth ? Am J Obstet Gynecol. 2008;(March):314.e1–314.e8.
– Menon R. Spontaneous preterm birth, a clinical dilemma: etiologic, pathophysiologic and genetic heterogeneities and racial disparity. Acta Obs Gynecol Scand. 2008;87(6):590–600.
– Holzman C, Senagore P, Tian Y, Bullen B, Devos E, Leece C, et al. Original Contribution Maternal Catecholamine Levels in Midpregnancy and Risk of Preterm Delivery. Am J Epidemiol. 2009;170(8):1014–24.
– Slattery DA, Neumann ID. No stress please! Mechanisms of stress hyporesponsiveness of the maternal brain. J Physiol. 2008; 586(2):377-85.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.

Mais Paola Machado