Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

A importância da boa alimentação nos primeiros 1000 dias de vida

Paola Machado

10/09/2019 04h00

Crédito: iStock

Você já ouviu falar nos primeiros 1000 dias de vida? Esse período compreende os 270 dias da gestação e os 730 dias referentes aos dois primeiros anos de vida.

Essa fase é considerada uma fase de ouro, uma grande janela de oportunidade que é capaz de programar nosso organismo para reduzir ou aumentar os riscos de doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes e hipertensão arterial. Nessa fase, a nutrição é um dos fatores determinantes para a programação metabólica.

Os 270 dias da gestação…

Uma gestação dura em média 270 dias, aproximadamente. Nessa fase, a nutrição da gestante é primordial para garantir o bom desenvolvimento e crescimento do feto.

Um estudo clínico de longo prazo, conduzido com 975 gestantes e seus filhos aos 20 anos de idade, revelou que a alimentação rica em gordura durante a gestação pode estar relacionada ao aumento de peso e adiposidade abdominal em seus filhos na fase adulta jovem.

O tipo de gordura ingerida também pode interferir nesta programação da gordura corporal. Estudo de longo prazo mostrou que a ingestão da relação omega6/omega3 associou-se com aumento de chance de obesidade nos filhos na fase pré-escolar (2 aos 7 anos de idade). Esta relação foi observada naquelas gestantes que consumiam quantidades reduzidas de ômega 3 e excessivas de ômega 6.

O consumo excessivo de gordura saturada durante a gestaçao também se relaciona a uma maior adiposidade da criança em seu primeiro mês de vida. De fato, alguns estudos experimentais revelam que a dieta rica em gordura saturada é capaz de afetar o metabolismo do tecido adiposo e do fígado, reduzir a sensibilidade à insulina e aumentar a chance de obesidade na prole. Resultados semelhantes são observados após a ingestão excessiva de gordura trans durante a gestação.

Desta maneira, garantir uma boa nutrição durante a gestação é sinônimo de garantir melhores condições de desenvolvimento ao feto, mas não só no período imediato após o nascimento, como também ao longo de toda a vida.

Primeiros seis meses de vida e o aleitamento materno — 180 dias

O aleitamento materno é a forma de alimentação recomendada para todas as crianças, de maneira exclusiva até os primeiros seis meses. Isso significa que não é recomendado a oferta de nenhum outro tipo de alimento e líquidos neste período.

Já existem muitas evidências que o aleitamento materno é capaz de prevenir obesidade e outras doenças crônicas na infância, adolescência e na vida adulta. Além de promover um ganho de peso mais saudável no início da infância, o aleitamento materno é capaz de promover melhor aceitação de variedade de vegetais na infância e de fornecer hormônios como a leptina, que regula o ciclo de fome e saciedade, e a adiponectina, que regula o metabolismo do tecido adiposo e do fígado, por exemplo.

A composição do leite materno pode sofrer influência da alimentação da lactante, nestes casos, orienta-se por uma alimentação saudável, equilibrada e variada. Além do mais, o sabor do leite materno varia em função da ingestão alimentar materna. Portanto, garantir a variedade de sabores e alimentos na dieta materna contribui para variedade de sabores do leite materno.

Ingestão de fontes alimentares de ômega 3 (peixes e sementes) é uma outra importante estratégia para aumentar a proporção deste tipo de gordura no leite materno, já que a quantidade presente no leite humano varia em função da ingestão alimentar da mãe.

Portanto, nos primeiros seis meses de vida, a melhor forma de nutrição consiste na oferta de leite materno. É claro que existem diversas situações que impossibilitam a prática da amamentação. Neste caso, recomenda-se o consumo de fórmulas infantis específicas para a faixa etária e condição clínica de cada criança.

Fase de alimentação complementar, dos seis meses aos dois anos

A introdução alimentar deve se iniciar aos 6 meses para aquelas crianças em aleitamento materno ou que recebem fórmulas infantis. Nos primeiros dois anos de vida, uma boa nutrição torna-se primordial para o crescimento e desenvolvimento da criança, e também para a formação dos hábitos alimentares.

Neste período, a oferta de variedade de alimentos é de extrema importância para proporcionar adaptação à diversidade de paladar, que será extremamente importante para a aceitação de alimentos ao longo de toda a infância e até mesmo adolescência.

O tempo em que se inicia a introdução alimentar também pode ter relação com a programação metabólica. Estudos clínicos apontam que a introdução alimentar precoce, ou seja, antes dos 6 meses de idade pode se relacionar ao desenvolvimento da obesidade na infância.

O perfil de alimentação da criança nesta fase é outro determinante de sua chance aumentada ou diminuída de doenças crônicas ao longo da vida. Sabe-se que, nesta fase, a ingestão excessiva de bebidas açucaradas (sucos artificiais, refrigerantes, achocolatados, bebidas lácteas) e doces favorece o aumento de peso de maneira excessiva, bem como a formação de um paladar altamente adaptado ao sabor doce. De modo geral, o consumo de alimentos altamente calóricos e de elevada densidade energética contribui para o desenvolvimento da obesidade infantil.

*Colaboração da Dra. Deborah Masquio, nutricionista clínica funcional, clínica 12 semanas e pesquisadora da UNIFESP.

Referências:
– Maslova E, Rytter D, Bech BH, Henriksen TB, Olsen SF, Halldorsson TI. Maternal intake of fat in pregnancy and offspring metabolic health – A prospective study with 20 years of follow-up. Clin Nutr. 2016 Apr;35(2):475-483. doi: 10.1016/j.clnu.2015.03.018.
– Škledar MT, Milošević M. Breastfeeding and time of complementary food introduction as predictors of obesity in children. Cent Eur J Public Health. 2015 Mar;23(1):26-31.
– Hakola L, Takkinen HM, Niinistö S, Ahonen S, Erlund I, Rautanen J, Veijola R, Ilonen J, Toppari J, Knip M, Virtanen SM, Lehtinen-Jacks S. Maternal fatty acid intake during pregnancy and the development of childhood overweight: a birth cohort study. Pediatr Obes. 2017 Aug;12 Suppl 1:26-37. doi: 10.1111/ijpo.12170.
– Barrera CM, Perrine CG, Li R, Scanlon KS. Age at Introduction to Solid Foods and Child Obesity at 6 Years. Child Obes. 2016 Jun;12(3):188-92. doi: 10.1089/chi.2016.0021.
– Gui ZH, Zhu YN, Cai L, Sun FH, Ma YH, Jing J, Chen YJ. Sugar-Sweetened Beverage Consumption and Risks of Obesity and Hypertension in Chinese Children and Adolescents: A National Cross-Sectional Analysis. Nutrients. 2017 Nov 30;9(12). pii: E1302. doi: 10.3390/nu9121302.
– Keller A, Bucher Della Torre S. Sugar-Sweetened Beverages and Obesity among Children and Adolescents: A Review of Systematic Literature Reviews. Child Obes. 2015 Aug;11(4):338-46. doi: 10.1089/chi.2014.0117.
– Malik VS, Schulze MB, Hu FB. Intake of sugar-sweetened beverages and weight gain: a systematic review. Am J Clin Nutr. 2006 Aug;84(2):274-88.
– Crume TL, Brinton JT, Shapiro A, Kaar J, Glueck DH, Siega-Riz AM, Dabelea D. Maternal dietary intake during pregnancy and offspring body composition: The Healthy Start Study. Am J Obstet Gynecol. 2016 Nov;215(5):609.e1-609.e8. doi: 10.1016/j.ajog.2016.06.035.
– Mennitti, L. V., Oliveira, J. L., Morais, C. A., Estadella, D., Oyama, L. M., Oller do Nascimento, C. M., & Pisani, L. P. (2015). Type of fatty acids in maternal diets during pregnancy and/or lactation and metabolic consequences of the offspring. The Journal of Nutritional Biochemistry, 26(2), 99–111. doi:10.1016/j.jnutbio.2014.10.001
– Aguilar Cordero MJ, Sánchez López AM, Madrid Baños N, Mur Villar N, Expósito Ruiz M, Hermoso Rodríguez E. [Breastfeeding for the prevention of overweight and obesity in children and teenagers; systematic review]. Nutr Hosp. 2014 Nov 30;31(2):606-20. doi: 10.3305/nh.2015.31.2.8458.
– Specht IO, Rohde JF, Olsen NJ, Heitmann BL. Duration of exclusive breastfeeding may be related to eating behaviour and dietary intake in obesity prone normal weight young children. PLoS One. 2018 Jul 11;13(7):e0200388. doi: 10.1371/journal.pone.0200388.
– Ventura AK. Does Breastfeeding Shape Food Preferences? Links to Obesity. Ann Nutr Metab. 2017;70 Suppl 3:8-15. doi: 10.1159/000478757. Epub 2017 Sep 14.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.