Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Como o treino funcional pode ajudar quem tem hérnia de disco

Paola Machado

04/10/2019 04h00

Crédito: iStock

O treinamento funcional é um programa de condicionamento físico que visa aprimorar todas as capacidades físicas dos praticantes, como força, resistência cardiorrespiratória, flexibilidade, agilidade, potência, equilíbrio etc, com movimentos funcionais utilizados no dia-a-dia ou atividades esportivas como empurrar, puxar, agachar, levantar, saltar.

Um dos princípios do treinamento funcional é recrutar a musculatura profunda, principalmente do core (multífidos, transverso do abdômen e pelve), para a estabilização e manutenção da postura da coluna vertebral para movimentos amplos ou pequenos.

Todo e qualquer caso deve ser analisado individualmente, principalmente em situações de doenças ou distúrbios e lesões do sistema musculoesquelético, cabendo ao profissional adaptar e limitar o treinamento de acordo com a patologia instalada.

A hérnia de disco é o deslocamento anormal do disco no espaço entre as vértebras, que pode ocorrer em qualquer segmento da coluna, mas principalmente nas regiões que apresentam maior mobilidade, como a região cervical e a lombar. Pode vir acompanhado ou não de extravasamento do núcleo pulposo. O deslocamento pode levar à compressão do canal vertebral e de nervos periféricos que saem da coluna para levar o impulso nervoso para outras partes do corpo.

A unidade funcional da coluna vertebral, ou seja, o local onde ocorrem os seus movimentos, consiste em duas vértebras adjacentes e seus tecidos moles correspondentes, como ligamentos e o disco intervertebral que se divide em basicamente duas partes: anel fibroso e núcleo pulposo.

A função do disco se dá na absorção e na distribuição de forças que ocorrem na coluna vertebral durante movimentos, postura, atividades de impacto e na promoção de liberdade de movimento da coluna vertebral. Assim, esse disco tem papel fundamental na função mecânica da coluna. Quando os movimentos e as cargas impostas ao disco excedem sua capacidade estrutural, desencadeiam degeneração e desidratação do núcleo pulposo e predispõem, de forma geral, as discopatias do tipo:

  • Hérnia protusa, onde existe um deslocamento do centro do disco, porém, sem rompimento das fibras. Gerando uma compressão levando a um quadro doloroso.
  • Hérnia extrusa, onde existe um rompimento das fibras, mas não extravasa no canal medular. Gerando uma compressão maior levando a um quadro de dor mais intenso e prolongado.
  • Hérnia sequestrada onde acontece o rompimento das fibras e o núcleo migra para o canal medular. Além da compressão e dor provoca uma inflamação importante e alteração no quadro sensitivo e motor.

Geralmente as hérnias de disco ocorrem nas regiões cervical e lombar. A fisioterapia é uma intervenção importante no processo de recuperação, principalmente nas fases agudas e sub-agudas, mas para tanto o acompanhamento multidisciplinar é essencial. Fecharemos, então, nossa atenção ao profissional de Educação Física que é o exercício físico, frisando que uma pessoa com hérnia de disco só deve iniciar um programa de exercícios para recondicionamento físico quando houver regressão importante dos sintomas, principalmente a dor.

Um aspecto importante a ser considerado na prescrição de exercícios é o conhecimento da forma como as forças atuam na coluna vertebral em razão da postura ortostática, como na posição sentada e deitada. Assim quando o aluno estiver executando exercícios nessas posições, é necessário observar a posição da pelve, solicitar ao aluno que contraia os músculos abdominais e paravertebrais (chamada de cocontração).

Outros aspectos a ser considerados na prescrição de exercícios para indivíduos com hérnia de disco são:

  • Um programa de exercícios que fortaleçam os músculos do core.
  • Aspectos ergonômicos na prescrição de exercícios na posição sentada.
  • Quando realizar exercícios abdominais em decúbito dorsal, evitar flexão de quadril, ou seja, o aluno não deve elevar o tronco como se fosse aproximar o peitoral das coxas, mas deve elevar apenas os ombros da superfície para amenizar a carga sobre a região lombar.
  • Um trabalho importante são os exercícios de equilíbrio e propriocepção no contexto preventivo e de manutenção da estabilidade da coluna vertebral.

Todas essas considerações na prescrição adequada para pessoas com hérnia de disco são amplamente aplicadas em um programa de treinamento funcional elaborado por um profissional capacitado.

O que deve ser levado em consideração é que pessoas com hérnia de disco apresentam certas limitações, exigindo acompanhamento individualizado e especializado por parte de profissionais como um fisioterapeuta e um profissional de Educação Física.

Referências:
– Graves,J. E.; Franklin,B. A. Treinamento resistido na saúde e na reabilitação. Rio de Janeiro: Revinter,2006.
– Nordin,M.;Frankel, V. H. Biomecânica básica do sistema musculoesquelético.3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2003.
– Teixeira,Cauê V. La Scala; Guedes Jr,Dilmar Pinto. Musculação perguntas e respostas: as 50 dúvidas mais frequentes nas academias. São Paulo:Phorte ,2010.
– Adams MA, Dolan P. Spine biomechanics. J Biomech. 2005.
– CHIU, Chun-Chieh et al. The probability of spontaneous regression of lumbar herniated disc: a systematic review. Clinicalrehabilitation, v. 29, n. 2, p. 184-195, 2015.
– FRANÇA, Fábio Jorge Renovato et al. Motor Control Training Compared to Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation in Patients with Disc Herniation with Associated Radiculopathy: A Randomized Controlled Trial. American journalofphysical medicine &rehabilitation, 2018.
– KAPANDJI, A. I. Fisiologia Articular Tronco e Coluna Vertebral. 5 edição. Editora Médica Panamericana. Rio de Janeiro (RJ), 2000.
– RAMOS, Luiz Armando Vidal et al. Comparison between transcutaneous electrical nerve stimulation and stabilization exercises in fatigue and transversusabdominis activation in patients with lumbar disk herniation: A randomized study. Journal of manipulative and physiological therapeutics, v. 41, n. 4, p. 323-331, 2018.
– Rhee JM, Schaufele M, Abu W. Radiculopathy and the herniated lumbar disc. J Bone Joint Surg Am. 2006.
– MING ZHONG, M. D.; LIU, Jin Tao. Incidence of spontaneous resorption of lumbar disc herniation: a meta-analysis. Painphysician, v. 20, p. E45-E52, 2017.
– MONUMENT, Michael J.; SALO, Paul T. Spontaneous regression of a lumbar disk herniation. CMAJ, v. 183, n. 7, p. 823-823, 2011.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.

Paola Machado