PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Quais fatores influenciam no metabolismo e gasto calórico da mulher

Paola Machado

11/12/2019 04h00

Crédito: iStock

Antes de abordarmos a questão sobre metabolismo, gasto calórico e envelhecimento, vale relembrar três pontos:

  1. É importante entendermos que envelhecer é um processo progressivo que influencia diretamente todas as reações bioquímicas e estruturais do corpo. Todos os sistemas são afetados e acabam se sobrepondo.
  2. Agora, é importante lembrar que envelhecemos a cada dia, hora e minuto. E não há como comparar o desempenho do seu corpo quando você tinha 18 anos com o corpo e metabolismo que tem hoje aos 65 anos, por exemplo.
  3. Vale lembrar que quando pensamos em "metabolismo acelerado", geralmente consideramos o metabolismo basal alto. Isso é, a taxa metabólica basal é o quanto de energia o corpo necessita para manter suas funções básicas para funcionamento perfeito.

O que influencia o meu metabolismo?

Se pensarmos que um bom estoque de músculos leva a um metabolismo mais "acelerado" que garante uma taxa metabólica basal mais alta, ao compararmos o metabolismo de uma pessoa com pouca musculatura (sedentários) ao de uma pessoa extremamente ativa que pratica exercícios físicos provavelmente esta última terá um metabolismo mais alto. Então, a grande chave está em garantir uma boa reserva de musculatura para sua vida.

As alterações endócrinas e diversas doenças podem impactar no seu metabolismo, e isso é patológico. Mas nessa matéria, vamos focar de um jeito simples em fatores modificáveis que você pode trabalhar a seu favor: a quantidade de massa magra que você possui "em estoque" no corpo e as atividades que realiza na sua rotina impactam de forma significativa no gasto de calorias.

A perda de força e de massa muscular é um dos pontos que mais chamam a atenção quando pensamos no envelhecimento do corpo. A diminuição da capacidade de gerar força muscular parece ser influenciada pela lentificação da propriedade contrátil bem como por modificações na composição das fibras musculares como o aumento de tecido adiposo (gordura). Além disso, a quantidade de massa magra pode diminuir devido a múltiplos fatores como a queda de hormônios e o aumento da proteólise (quebra de proteínas).

A ciência explica a diminuição da massa muscular

Estudos revelam que pessoas mais velhas apresentam menores concentrações de hormônios anabólicos na corrente sanguínea, além de apresentarem resistência às substâncias anabólicas no músculo e um aumento de marcadores sanguíneos pró-inflamatórios que tem como papel acelerar ainda mais o processo de perda e quebra de proteínas.

E a velha desculpa: "Mas isso só acontece com os mais velhos…"

Ao ler essas informações você pode pensar que esse processo só ocorrerá quando você estiver com seus 90 anos, mas saiba que a perda da musculatura ocorre de forma gradual e se acelera a partir dos 30 anos. Assim, é natural esperar que o próprio processo de envelhecimento leve à perda progressiva de fibras musculares.

Mas as pesquisas apontam cada vez mais, o impacto da rotina sedentária que predispõe à perda precoce da massa muscular e diminuição do metabolismo. Diversos órgãos internacionais revelam que mais do que o fator idade, o sedentarismo é considerado um fator de risco para a saúde das pessoas.

O impacto do envelhecimento em mulheres versus o impacto em homens

A notícia mais triste para as mulheres é saber que naturalmente a mulher tem um estoque de musculatura menor e, no geral, seu metabolismo pode ser considerado mais lento que de um homem. Por isso, muitas vezes temos a percepção de que homens não engordam com tanta facilidade. Além disso, o envelhecimento acaba impactando de maneira ainda mais negativa a perda da musculatura em mulheres, principalmente em membros inferiores.

Solução: "Tenho que ficar grande e cheia de músculos igual a um fisiculturista?"

O volume muscular não deve ser confundido com a força muscular – Isso é, não estamos falando de ser "bombado" mas sim, de ter qualidade da musculatura e combater os efeitos negativos da perda de força e massa muscular. O objetivo maior é garantir saúde e se manter ativo, e de bônus garantir um "metabolismo mais acelerado".

A manutenção da massa magra garante que seu metabolismo seja mais acelerado. Por isso, não adianta focar apenas em exercícios aeróbicos. Foque em manter o metabolismo ativo realizando exercícios para fortalecimento da musculatura de forma global.

Considerando as mudanças do processo de envelhecimento e o impacto negativo da inatividade física, a prática regular de exercícios e uma alimentação balanceada com aporte adequado de proteínas são o primeiro passo para prevenção e tratamento da perda de musculatura. Procure um profissional de saúde para mais orientações.

*Colaboração da Fisioterapeuta pela Unifesp Dra. Renata Luri e do Fisioterapeuta pela Unifesp Dr. Pedro Sasaki

Referências:
– Chaudhary KR, El-Sikhry H, M Seubert JM. Mitochondria and the aging heart. J Geriatr Cardiol. 2011; (8), n.3, 159–167.
– Clark, B., Manini, T. What is dynapenia? Nutrition. 2012; 28, (5), 495–50.
– DEPARTMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVICES. Physical activity guidelines advisory committee. Physical activity guidelines advisory committee report. Washington: Department of Health and Human Services; 2008. English.
– Doherty TJ. Invited Review: Aging and Sarcopenia. J Appl Physiol. 2003; 95(4), 1717. – Larsson L, Grimby G, Karlsson J. Muscle strength and speed of movement in relation to age and muscle morphology. J Appl Physiol Respir Environ Exerc Physiol 1979;46(3):451-6.
– Fernandes AL, Hayashi AP, Jambassi-Filho JC, de Capitani MD, de Santana DA, Gualano B, Roschel H.Different protein and derivatives supplementation strategies combined with resistance training in pre-frail and frail elderly: Rationale and protocol for the "Pro-Elderly" Study. Nutr Health. 2017 Dec;23(4):251-260.
– Jacob Filho W. Fatores determinantes do envelhecimento saudável. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) 2009,47. Portuguese.
– Meijer EP, Goris AH, van Dongen JL, Bast A, Westerterp KR.Exercise-induced oxidative stress in older adults as a function of habitual activity level. J Am Geriatr Soc. 2002 Feb;50(2), 349-53.
– Stiegler, P.; et al. The role of diet and exercise for the maintenance of fat-free mass and resting metabolic rate during weight loss. Sports Med. 2006;36(3):239-62.
– Thompson LV. Skeletal muscle adaptations with age, inactivity, and therapeutic exercise. J Orthop Sports Phys Ther. 2002 Feb;32(2):44-57. Review.
– U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE. USPSTF. Department of Health and Human Services. Physical Activity Guidelines for Americans. Washington, DC: U.S. Department of Health and Prevention of Falls in Community-Dwelling Older Adults Clinical Guideline www.annals.org, 2012.
– Villablanca, P.A.; et al. Nonexercise activity thermogenesis in obesity management. Mayo Clin Proc. 2015 Apr;90(4):509-19. doi: 10.1016/j.mayocp.2015.02.0011

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.

Paola Machado