PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Liberação miofascial é aliada para melhorar a flexibilidade; saiba mais

Paola Machado

18/02/2020 04h00

iStock

A flexibilidade pode ser descrita como a capacidade de um determinado músculo distanciar a origem de sua inserção, levando a um maior alcance da articulação. Ela pode ser limitada tanto por alguma estrutura óssea como pelo próprio músculo. A maioria das pessoas tem pouca flexibilidade pela limitação da musculatura e seus envoltórios, como o tecido conjuntivo e a pele.

O Colégio Americano de Medicina do Esporte aponta a flexibilidade como sendo um dos cinco componentes mais importantes para a aptidão física. O aumento na amplitude de movimento articular é benéfico para melhorar o desempenho muscular e reduzir o risco de lesões. Pesquisas já comprovaram que ter pouca flexibilidade se relaciona à perda de capacidade funcional e a menor qualidade de vida.

O termo liberação miofascial é amplamente usado na rotina clínica e de treinamentos físicos para se referir a uma técnica manual que promete diminuir restrições miofasciais acumuladas do tecido cicatricial e espasmos musculares.

A massagem, geralmente realizada com rolo de espuma, alivia e previne dores musculares, melhora a postura, aumenta a flexibilidade e estimula a circulação sanguínea.

Pesquisas apontam que a liberação miofascial promove melhores resultados para ganhos de flexibilidade em comparação a outras técnicas de terapia manual. Uma única sessão de liberação já é eficaz para aumentar a flexibilidade imediatamente.

Estudos compararam técnicas de liberação miofascial e alongamento sobre a flexibilidade dos músculos da coxa em adolescentes. Os resultados indicaram que ambas as técnicas foram eficientes para ganhos de flexibilidade de forma imediata. Quando as duas técnicas eram utilizadas juntas poderiam levar a mudanças positivas sobre o comprimento do músculo.

Até mesmo em praticantes de musculação que geralmente focam em hipertrofia e, muitas vezes, apresentam encurtamento de fibras musculares, a técnica apresenta benefícios. Estudos comprovaram que a utilização da liberação miofascial com exercícios de alongamento pode acelerar o ganho de flexibilidade. Estudos apontam que essa melhora em flexibilidade leva ao aumento da qualidade dos movimentos executados na musculação, e a um maior recrutamento neuromuscular.

A literatura aponta que o alongamento, apesar de promover o aumento da amplitude de movimento imediato, ocasiona prejuízo na geração de força. Por isso, a liberação miofascial surge como uma alternativa de estratégia promissora otimizando os ganhos em amplitude de movimento, sem impactar em força.

Cientistas também investigaram o papel da liberação miofascial em pessoas que se submeterem a um treino intenso intervalado, os resultados mostraram que a técnica diminuiu em 50% a dor muscular pós-treino e aumentou a amplitude de movimento em comparação aos que não se submeteram à liberação.

Há um vertente de pesquisadores que alega que o termo liberação miofascial possa estar errado, uma vez que ainda não foram comprovados os mecanismos de como ocorrem seus efeitos na fáscia. Independente da nomenclatura, os cientistas apontam para duas teorias embasando os seus benefícios:

  1. O primeiro mecanismo hipotetiza que a técnica remodela as estruturas fasciais, como as adesões, piezoeletricidade, viscoelasticidade do tecido e estruturas que compõem o tecido fascial como a elastina e o colágeno. Esse possível remodelamento permitiria um maior ganho de amplitude articular.
  2. O segundo mecanismo proposto indica a influência do Sistema Nervoso Central relacionado a efeitos não-locais: a presença de mecanorreceptores dentro do músculo e da fáscia, exerce efeito inibitório na modulação e percepção de dor. Esse efeito justificaria o aumento de tolerância ao estiramento, o que permitiria uma maior flexibilidade.

Até a ciência comprovar todos os mecanismos envolvidos na liberação miofascial, o que se sabe é que diversos estudos apontam o papel dessa técnica na melhora de flexibilidade e, com isso, no aumento do desempenho muscular e menor o risco de lesões.

*Colaboração da Dra. Renata Luri, fisioterapeuta e PhD Unifesp @renataluri e da Dra. Juliana Satake, fisioterapeuta especializada pela UNICAMP

Referências:
– Acesso em novembro de 2019: https://www.acsm.org/
– Adstrum S, Hedley G, Schleip R, Stecco C, Yucesoy CA. Defining the fascial system. J Bodyw Mov Ther 2017;21:173- 7. doi: https://doi.org/10.1016/j.jbmt.2016.11.003 9.
– Ajimsha MS, Al-Mudahka NR, Al-Madzhar JA. Effectiveness of miofascial reléase: Systematic review of randomized controlled trials. J Bodyw Mov Ther 2015;19:102-12.
– Behm DG1, Wilke J2.Do Self-Myofascial Release Devices Release Myofascia? Rolling Sports Med. 2019 Aug;49(8):1173-1181. doi: 10.1007/s40279-019-01149-y. Mechanisms: A Narrative Review.
– Drinkwater EJ, Latella C, Wilsmore C, Bird SP, Skein M.Foam Rolling as a Recovery Tool Following Eccentric Exercise: Potential Mechanisms Underpinning Changes in Jump Performance.Front Physiol. 2019 Jun 26;10:768. doi: 10.3389/fphys.2019.00768. eCollection 2019.
– Eriksson Crommert M, Lacourpaile L, Heales LJ, Tucjer K, Hug F. Massage induces an immediate, albeit shortterm, reduction in muscle stiffness. Scan J Med Sci Sports 2015;25:490-6. doi: 10.1111/sms.12341
– Krause F, Wilke J, Niederer D, Vogt L, Banzer W.Acute effects of foam rolling on passive stiffness, stretch sensation and fascial sliding: A randomized controlled trial.Hum Mov Sci. 2019 Oct;67:102514.
– Laffaye G, Da Silva D, Delafontaine A.Self-Myofascial Release Effect With Foam Rolling on Recovery After High-Intensity Interval Training.Front Physiol. 2019 Oct 16;10:1287. doi: 10.3389/fphys.2019.01287. eCollection 2019.
– Monteiro, da Silva Novaes J, Cavanaugh MT, Hoogenboom BJ, Steele J, Vingren JL, Škarabot J.Quadriceps foam rolling and rolling massage increases hip flexion and extension passive range-of-motion.J Bodyw Mov Ther. 2019 Jul;23(3):575-580.
– Škarabot J, Beardsley C, Stirn I. Comparing the effects of self-myofascial release with static stretching on ankle rangeof-motion in adolescents athletes. Int J Sports Phys Ther 2015;10:203-12. 18. M
– Winwood PW, Pritchard HJ, Wilson D, Dudson M, Keogh JWL.The Competition-Day Preparation Strategies of Strongman Athletes.J Strength Cond Res. 2019 Sep;33(9):2308-2320.
– Vigotsky AD, Lehman GJ, Contreras B, Beardsley C, Chung B, Feser EH. Acute effects of anterior thigh foam rolling on hip angle, knee angle, and rectus femoris length in the modified Thomas test. PeerJ 3 2015;3:e1281.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.

Paola Machado