PUBLICIDADE

Topo

Subluxar e luxar o ombro: saiba o que é e como o problema acontece

Paola Machado

10/03/2020 04h00

Crédito: iStock

O ombro é a articulação mais móvel do corpo humano, sendo o local de luxação em 45% dos casos. Na maioria deles ocorre dor intensa e as pessoas se sentem incapazes de movimentar o braço, com sensação de que algo "saiu" do lugar. O problema causa dor e fraqueza, devido à falta de coordenação.

Entenda a diferença entre subluxar e luxar o ombro

  • Subluxação: ocorre quando o osso do braço sai da cavidade e retorna posteriormente;
  • Luxação: acontece quando o osso se desloca da cavidade e não retorna sozinho –voltando somente após manobra de redução, geralmente realizada por profissionais da saúde.

Instabilidades de ombro

A instabilidade do ombro acontece quando há a ineficiência de manter a cabeça umeral dentro da cavidade glenóide, ou seja, quando popularmente falamos que o osso do braço "sai do lugar".

  • Instabilidades atraumáticas: normalmente acontecem em pessoas que apresentam frouxidão ligamentar sistêmica (no corpo todo). É comum ocorrer nos dois ombros. Os melhores tratamentos ocorrem por meio de reforço muscular adequado. Raramente os pacientes necessitam de cirurgia,  pois não há comprometimento evidente de estruturas.
  • Instabilidades por trauma: tendem a acontecer em apenas um ombro, exceto em traumas de alta energia (pode vir a luxar os dois), geralmente nesses traumas diretos há lesões estruturais.

Tudo bem luxar o ombro?

Não!!!! Luxações constantes levam a traumas em ligamentos, os quais se distendem e facilitam a ocorrência de novas luxações, que podem progredir e levar a complicações maiores.

O que fazer se luxo sempre meu ombro?

Cada caso um caso… Precisamos ponderar a idade e o nível de atividade esportiva e/ ou laboral. Lesões menores devem ser tratadas de forma conservadora, com fisioterapia, mesmo que seja para preparação cirúrgica, já que a reabilitação é peça-chave de tratamento.

Prevenção Caso haja um bom trabalho de reforço muscular focando nos músculos corretos (musculatura estabilizadora),as chances de lesões que necessitem de cirurgia caem consideravelmente.

Entenda o que mantém o ombro estável

As estruturas responsáveis pela manutenção da posição da articulação do ombro são primariamente os ligamentos, lábio glenoidal e cápsula articular, a concavidade da glenóide, a convexidade e a esfericidade da cabeça umeral. É importante destacar que, em caso de lesão nessas estruturas, a musculatura entra com o papel de estabilizar e pode se sobrecarregar.

Em relação aos músculos, eles devem trabalhar em conjunto e em sincronia. Essa sincronia recebe o nome de pares de força:

  • Par de força escapular: músculos estabilizadores da escápula (serrátil anterior e trapézios)
  • Par de força umeral coronal: músculos estabilizadores umerais (manguito rotador e deltóide) que têm como função evitar a elevação da cabeça umeral e consequente impacto e dor
  • Par de força umeral transversal: músculos infraespinhoso, redondo menor e subescapular, que têm como função manter a cabeça umeral centralizada

A importância da estabilização e equilíbrio muscular corretos são peças-chave de prevenção contra lesões do ombro. Procure o suporte de profissionais de saúde como ortopedistas, fisioterapeutas e profissionais de educação  física.

Com colaboração de Renata Luri, fisioterapeuta doutorada pela Unifesp; e Luiz Carlos Focaccio Junior, fisioterapeuta e professor do Grupo de Cirurgia e Ombro

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Burkhart,S.S Reconciling the Paradox of Rotator Cuff Repair Versus Debridement :A Unified Biomechanical Rational e for the Treatment of Rotator Cuff Tears, Arthroscopy:TheJournalofArthroscopicandRelatedSurgery10(1):4-19PublishedbyRaven Press, Lt
Butters K.P.: "The scapula (Chapter 10)" in Rockwood C.A., MatsenZuckermann,J. ; Koval, K. – Shoulder Fractures: The Practical Guide to Management, 2005.ed. Thieme.
Dickerson,C.R; McDonald,A.C -Between Two Rocks and in a Hard Place: Reflecting on the Biomechanical Basis of Shoulder Occupational Musculoskeletal Disorders, HUMAN FACTORS Vol. 00, No. 0, Month XXXX, pp. 1, 2020, Human Factors and Ergonomics Society;
Dabija, D.I; et al. – Genetic and Familial Predisposition to Rotator Cuff Disease: A Systematic Review, Shoulder Elbow Surg. 2017 June ; 26(6): 1103–1112. doi:10.1016/j.jse.2016.11.038;
Enger, M, et al. -Shoulder injuries from birth to old age A 1-year prospective study of 3031 shoulder injuries in an urban population, Injury (2018), https://doi.org/10.1016/j.injury.2018.05.013;
Oliva, F, et al. – Epidemiology of the rotator cuff tears: a new incidence related to thyroid disease, Muscles, Ligaments and Tendons Journal 2014; 4 (3): 309-314;
McIntyre, K, et al. – Evidence-based conservative rehabilitation for posterior glenohumeral instability: A systematic review, Physical Therapy in Sport 22 (2016) 94 – 100;
Merolla, G, et al. – Multidirectional instability of the shoulder: biomechanics, clinical presentation, and treatment strategies, Eur J Orthop Surg Traumatol (2015) 25:975–985, DOI 10.1007/s00590-015-1606-5;
Maniscalco,P; Caforio, M – The importance of early rehabilitation in proximal humeral fracture: A clinical trial of efficacy and safety of a new endomedullary nail, Journal of Back and Musculoskeletal Rehabilitation -1 (2016) 1–8;
Myers, J.B, et al. – Reflexive Muscle Activation Alterations in Shoulders With Anterior Glenohumeral Instability, The American Journal of Sports Medicine, Vol. 32, No. 4, DOI: 10.1177/0363546503262190, 2004.
Teratani,T – Comparison of the epidemiology and outcomes of traumatic and nontraumatic rotator cuff tears, Journal of Orthopaedics 14 (2017) 166–170;

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.