PUBLICIDADE

Topo

Por que a obesidade é considerada uma condição de alto risco? Entenda

Paola Machado

30/03/2020 04h00

Trabalho com obesidade e sobrepeso desde 2008. São 12 anos notando o quanto as pessoas acometidas sofrem com diversos problemas de saúde. Lembro-me que em 2006, ainda tínhamos grandes preocupações com a desnutrição e essa curva mudou muito ao longo dos anos.

Prevalência, em porcentagem, de obesidade e desnutrição em três décadas no Sudeste do Brasil. Mello, E.; et al. Childhood obesity – Towards effectiveness. J Pediatr (Rio J). 2004;80(3):173-82

Bato sempre aqui na tecla, literalmente, sobre os efeitos do excesso de gordura corporal na nossa saúde e, aproveitando o gancho, no Reino Unido, sete em cada dez pacientes com coronavírus em UTIs no Reino Unido são obesos — 71,7% –, sendo observada uma possível relação entre obesidade e infecção no Brasil. 

Alguns dados importantes…

Vale lembrar que a obesidade é crescente no mundo todo. No Brasil, 55,7% da população sofre de excesso de peso e 19,8% da população é obesa –sendo maior entre mulheres (29,7%) do que em homens (18,7%).  A frequência de obesidade aumenta com a idade até os 44 anos para homens e até 64 anos para mulheresabaixo uma tabela padrão de percentual de gordura corporal. Observem como os valores de referências aumentam com a idade.

Essa é uma tabela padrão de percentual de gordura corporal. Observem como os valores de referências aumentam com a idade

Cerca de 30% da população mundial –2 bilhões de pessoas — sofrem de obesidade ou sobrepeso (esses dados incluem crianças e adultos) e é a segunda maior causa de morte no mundo, de acordo com um estudo publicado no jornal "The New England Journal of Medicine". Um estudo do The Lancet (2016) que avaliou 19,2 milhões de participantes adultos — sendo 9,9 milhões de homens e 9,3 milhões de mulheres, mostrou que a obesidade cresceu de 3,2% em 1975 para 10,8% em 2014 em homens e 6,4% para 14,9% em mulheres.

De acordo com a OMS (2018), 1 em cada 8 adultos no mundo é obeso. Em 2025, estima-se que cerca de 2.3 bilhões de pessoas possam sofrer de sobrepeso e 700 milhões podem sofrer de obesidade.

A obesidade…

É uma doença crônico-degenerativa, inflamatória e multifatorial que favorece o balanço energético positivo, na qual a reserva natural de gordura –central e periférica — aumenta até o ponto que se associa a certos problemas de saúde ou aumento da taxa de mortalidade.

O obesidade gera um estado inflamatório subclínico. Quando o tecido adiposo tem um crescimento anormal, leva a  aumentando a expressão de citocinas pró-inflamatórias, de PAI-1, leptina (levando a resistência a ação da mesma e a hiperleptinemia) e redução de adiponectina.

  • Fígado O aumento da leptina, TNF-alfa, IL-6 e ácidos graxos livres com redução de adiponectina; leva a redução da sensibilidade à insulina, aumenta gliconeogênese, aumenta VLDL, TG, PCR e PAI-1.
  • Músculo O aumento da leptina, TNF-alfa, IL-6 e ácidos graxos livres com redução de adiponectina; diminui sensibilidade à insulina.
  • Pâncreas O aumento de ácidos graxos livres; aumenta secreção de insulina.
  • Cérebro Aumento de leptina e IL-6; leva a resistência à leptina e a inflamação hipotalâmica.

Tudo isso desencadeia patologias, como…

Obesidade e coronavírus

Por qual motivo a obesidade pode também ser considerada uma condição de alto risco? Primeiro que, como já a fisiopatologia da obesidade mostra, ela gera um estado inflamatório subclínico. Segundo porque ela gera diversas patologias associadas que são parte da população de alto risco –como diabetes e hipertensão.

Além dessas existem mais duas hipóteses.  Dentre esses mecanismos que levam a disfunção do TAB (tecido adiposo branco), a hipóxia é uma característica marcante do TAB de pessoas obesas, pois a vasculatura não consegue acompanhar o crescimento patológico do tecido. Alguns pesquisadores apontam que a hipóxia no TAB em expansão pode representar um potencial fator patogênico, uma vez que induz estresse e respostas inflamatórias dentro do TAB, bem como resistência a insulina, supressão da síntese de adiponectina (adipocina que induz aumento da sensibilidade à insulina) e disfunção metabólica. Especificamente, a hipóxia pode induzir tanto o estresse do retículo endoplasmático como o estresse oxidativo, o qual induz rotas adicionais para a baixa tensão de O2, que pode induzir a disfunção do TAB. Outras evidências apontam que a hipóxia é uma via de ligação entre adi- pogênese, angiogênese e sensibilidade à insulina. Ou seja,  os adipócitos, as células que armazenam gordura no corpo, podem levar a hipóxia e morte celular com a liberação de ácidos graxos, levando a um estado inflamatório e imunossupressão.

Amaral, William C. Obesidade, hipóxia, exercício físico e cininas: possível relação no tratamento da obesidade. William Carvalho do Amaral. – 1 ed. – São Paulo: Weight Science, 2015.

A segunda hipótese é que o aumento da produção de leptina –pró-inflamatório — e redução de adiponectina — anti-inflamatório, desencadeia também um estado inflamatório levando a imunossupressão.

O estilo de vida inadequado,  pode aumentar o adipócito por hipertrofia — aumenta fluxo sanguíneo e tem tentativa de angiogiogênese. Como ele não consegue, entra em hipóxia. Produz TNF-alfa e estimula a lipólise — estimular o catabolismo e reduzir o anabolismo —, assim tem o início do processo inflamatório para voltar a homeostase. Só que esse processo pró-inflamatório se perpetua em uma baixa inflamação por muito tempo.

Se cuidem…

Ponderando sobre tudo isso que eu disse, essa é uma boa oportunidade para começarmos e não deixarmos os dias em casa virar contra nós mesmos, pois é natural o aumento de alimentos mais calóricos e a redução de atividades físicas. Essa é a hora de criarmos alertas para, de fato, as pessoas se cuidarem. Se não leram esse texto que vou linkar agora, é uma boa oportunidade.

Referências:
– Amaral, William C. Obesidade, hipóxia, exercício físico e cininas: possível relação no tratamento da obesidade. William Carvalho do Amaral. – 1 ed. – São Paulo: Weight Science, 2015.
– Barros, C. C. et al. Altered Glucose Homeostasis and Hepatic Function in Obese Mice Deficient for Both Kinin Receptor Genes. PLoS One (2012); 7(7): e40573. Blüher, M. Adipose tissue dysfunction contributes to obesity related metabolic diseases. Best Practice & Research Clinical Endocrinology & Metabolism (2013) 27, 163–177.
– Blüher, M. Clinical Relevance of Adipokines. Diabetes Metab J (2012) 36:317-327. Cancello, R. et al. Reduction of Macrophage Infiltration and Chemoattractant Gene Expression Changes in White Adipose Tissue of Morbidly Obese Subjects After Surgery-Induced Weight Loss. Diabetes (2005) 54, 2277-2286.
– Denis, G. V.; Obin, M. S. 'Metabolically healthy obesity': Origins and implications. Molecular Aspects of Medicine (2013) 34, 59–70.
Enevoldsen, L. H. et al. Effect of exercise training on in vivo lipolysis in intra-ab– dominal adipose tissue in rats. Am J Physiol Endocrinol Metab (2000) 279: E585– E592.
– Goossens, G. H. et al. Increased Adipose Tissue Oxygen Tension in Obese Com- pared With Lean Men Is Accompanied by Insulin Resistance, Impaired Adipose Tissue Capillarization, and Inflammation. Circulation (2011) 124:67-76.
– Halberg, N. et al. Hypoxia-Inducible Factor 1α Induces Fibrosis and Insulin Resis– tance in White Adipose Tissue. Mol. Cell. Biol (2009) 29(16), 4467-4483.
– Haslam, D. W.; James, W. P. T. Obesity. Lancet (2005) 366: 1197–1209.
– Hatano, D. et al. Effect of exercise training on the density of endothelial cells in the white adipose tissue of rats. Scand J Med Sci Sports. (2011) 21(6):e115–121. (Abstract)
– Hotamisligil, G. S. et al. Tumor necrosis factor α inhibits signaling from the insulin receptor. Proc. Nadl. Acad. Sci (1994) 91, 4854-4858.
Iozzo, P. et al. The Interaction of Blood Flow, Insulin, and Bradykinin in Regulating Glucose Uptake in Lower-Body Adipose Tissue in Lean and Obese Subjects. J Clin Endocrinol Metab (2012) 97(7):E1192–E1196.
– Ismail, I. et al. A systematic review and meta-analysis of the effect of aerobic vs. resistance exercise training on visceral fat. Obesity reviews (2011) 13, 68–91. Jiang, C. et al. Disruption of Hypoxia-Inducible Factor 1 in Adipocytes Improves Insulin Sensitivity and Decreases Adiposity in High-Fat Diet–Fed Mice. Diabetes (2011) 60, 2484-2495.
– Jiang, C. et al. Hypoxia-inducible Factor 1α Regulates a SOCS3-STAT3-Adiponectin Signal Transduction Pathway in Adipocytes. J. Biol. Chem (2013) 288:3844-3857. Kelly, T. et al. Global burden of obesity in 2005 and projections to 2030. Interna- tional Journal of Obesity (2008) 32, 1431–1437.
– Kinsey-Jones, J. S.; Murphy, K. G. Current models and strategies in the develop- ment of antiobesity drugs. Ann. N.Y. Acad. Sci. (2011) 1245, 3–6.
– Lee, S. et al. Effects of Aerobic Versus Resistance Exercise Without Caloric Restric– tion on Abdominal Fat, Intrahepatic Lipid, and Insulin Sensitivity in Obese Adoles- cent Boys. Diabetes (2012) 61, 2787-2795.
– Mello, E.; et al. Childhood obesity – Towards effectiveness. J Pediatr (Rio J). 2004;80(3):173-82

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.