Topo
Paola Machado

Paola Machado

Categorias

Histórico

Maneiras de driblar o platô do emagrecimento

Paola Machado

2004-06-20T19:04:00

04/06/2019 04h00

Crédito: iStock

Vou fazer um gancho com o texto sobre o emagrecimento do Carioca e como driblamos o platô, para dar algumas dicas para ultrapassar essa etapa de estacionar no peso.

Não use a balança como medida única

Eu sei que o peso na balança é o primeiro número que queremos reduzir quando se trata de emagrecimento. Porém, a balança não sabe o que é gordura corporal, o que é massa muscular, água etc.

O seu objetivo principal pensando em emagrecimento é redução de composição de gordura corporal. Por isso, chega certa etapa que a balança pode não auxiliar tanto no processo. Se você está se alimentando adequadamente, treinando — principalmente musculação que auxilia na construção de massa muscular — e mudou de fato seu estilo de vida; lembre-se que a massa muscular pesa assim como a gordura — a diferença é que elas têm volumes diferentes.

Antes de entrar em desespero e achar que entrou em platô, procure um profissional que faça uma análise de composição corporal — por análise de dobras cutâneas, bioimpedância ou até com equipamentos mais precisos como DEXA. Se o seu peso parou de reduzir, mas você está ganhando musculatura; se acalme que está em um excelente caminho.

Anote sua alimentação

Por que estou comendo pouco e ainda assim tenho dificuldade em perder peso?

Pesquisadores relataram que as pessoas tendem a subestimar a quantidade de alimentos que consomem. Em um estudo, pessoas obesas relataram consumir cerca de 1.200 calorias por dia. No entanto, uma análise detalhada de sua ingestão ao longo de um período de 14 dias mostrou que elas estavam realmente consumindo, em média, quase o dobro desse valor.

Por esse motivo, anotar o que está consumindo — proteína, gordura e carboidratos — e em qual momento consome, pode fornecer informações concretas sobre o quanto, de fato, de alimento você está ingerindo. Isso permitirá que, junto com seu nutricionista, você modifique sua alimentação, se necessário.

Inclua mais fibras, legumes e proteínas

Incluindo mais fibras em sua dieta pode ajudá-lo a romper um platô do emagrecimento. A fibra solúvel retarda o movimento da comida através do trato digestivo, o que pode ajudá-lo a sentir-se satisfeito.

Embora pesquisas mostrem que todos os tipos de fibras podem ser benéficos para a perda de peso, uma grande revisão científica descobriu que uma fibra solúvel conhecida como fibra viscosa é mais eficaz para manter o apetite e a ingestão consciente dos alimentos, além de diminuir o número de calorias que você absorve de outros alimentos.

Com base em um estudo que analisou a absorção de calorias em dietas com quantidades variadas de fibras, os pesquisadores estimaram que aumentar a ingestão diária de fibras de 18 para 36 gramas pode fazer com que menos 130 calorias sejam absorvidas de refeições mistas.

Os vegetais são ricos em fibras e ricos em nutrientes. Estudos constataram que dietas que incluem muitos legumes tendem auxiliar em uma redução efetiva e saudável de peso.

Consumir proteína ao longo do dia auxilia no aumento do seu metabolismo através do efeito térmico dos alimentos (ETA). Há também pesquisas mostrando que ingerir proteína em todas refeições é benéfico para perda de peso e manutenção da massa muscular.

Mude a intensidade, frequência e estímulo do seu treino

Como disse, é natural que, se você tem uma redução significativa de peso — aqui incluo composição corporal de gordura e massa muscular –, sua taxa metabólica tende a reduzir.

Um estudo com mais de 2.900 pessoas descobriu que, para cada quilo de peso perdido, elas "queimaram" em média 6,8 calorias. À medida que o peso diminui, a redução progressiva da taxa metabólica pode tornar a perda de peso continuada extremamente difícil.

O exercício é uma estratégia eficaz para ajudar a neutralizar esse efeito. O treinamento de resistência — musculação — promove a construção da massa muscular, que é importante para melhorar o metabolismo. De fato, o treinamento de musculação é muito eficaz de exercício para o emagrecimento combinado com o treinamento aeróbio.

Em um estudo de 12 semanas, mulheres jovens e obesas que seguiram uma alimentação saudável e realizaram treinos de musculação durante 20 minutos por dia reduziram, em média, 5,9 kg e 5 cm de circunferência de cintura.

O treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) e o aeróbio após a musculação são também importantes para evitar a desaceleração metabólica. Se você já está se exercitando, incluir na sua rotina de treino mais 1 ou 2 dias por semana ou aumentar a intensidade dos mesmos pode ajudar na sua taxa metabólica basal.

Além do exercício, mantenha uma rotina ativa

Embora o exercício físico seja importante, outros fatores também influenciam o número de calorias que você utiliza todos os dias. Por exemplo, sua taxa metabólica aumenta em resposta à movimentação, mudança de postura e atividades de vida diária (AVD's).

Esses tipos de atividade são conhecidos como termogênese de atividade não exercício — NEAT. Pesquisas mostram que o NEAT pode ter um grande impacto na sua taxa metabólica, embora a quantidade varie significativamente de pessoa para pessoa.

Uma pesquisa constatou que, comparados com pessoas que ficam deitadas, as taxas metabólicas dos participantes aumentaram em média 54% quando se mexiam enquanto sentadas e 94% quando se mexiam enquanto permaneciam em pé. Outro estudo descobriu que as pessoas que ficaram em pé, em vez de sentadas durante a tarde, durante sua jornada de trabalho queimaram, em média, quase 200 calorias a mais.

Uma maneira fácil de aumentar o seu NEAT é levantando-se com mais frequência, aumentando o número de passos, usando escadas.

Controle seu estresse

O estresse muitas vezes pode atrapalhar o processo de emagrecimento.

Além de desencadear desejos de comida, também aumenta a produção de cortisol do seu corpo. O cortisol é conhecido como o "hormônio do estresse". Enquanto ajuda seu corpo a responder ao estresse, também pode aumentar o armazenamento de gordura abdominal. Além do mais, este efeito mostra-se mais acentuado em mulheres do que em homens.

Pesquisas mostram que aprender a lidar e gerenciar o estresse pode ajudar a promover a perda de peso. Em um estudo de oito semanas com 34 mulheres com sobrepeso e obesas, um programa de gerenciamento de estresse que incluiu relaxamento muscular e respiração profunda levou a uma perda de peso média de 4,4 kg.

Durma melhor

O sono é extremamente importante para uma boa saúde mental, emocional e física.

Também está ficando claro que não dormir o suficiente pode levar ao ganho de peso diminuindo sua taxa metabólica e alterando os níveis de hormônios responsáveis pela saciedade e o armazenamento de gordura. De fato, dormir o suficiente pode ser um fator que contribui, e muito, para a perda de peso.

Um estudo mostrou que adultos saudáveis que dormiram quatro horas por noite por cinco noites seguidas tiveram uma redução média de 2,6% na taxa metabólica de repouso, que retornou aos seus níveis basais depois de terem dormido por 12 horas. Procure dormir, em média, de 7 a 8 horas de sono por noite ou o suficiente para acordar descansado.

Dúvidas com relação ao texto? Clique aqui, sempre respondo pelo meu instagram — @machado_paola

Referências:
– Schwartz, A.; et al. Relative changes in resting energy expenditure during weight loss: a systematic review. Obes Rev. 2010 Jul;11(7):531-47. doi: 10.1111/j.1467-789X.2009.00654.x. Epub 2009 Sep 17.
– Hunter, G.R.; et al. Resistance training conserves fat-free mass and resting energy expenditure following weight loss. Obesity (Silver Spring). 2008 May;16(5):1045-51. doi: 10.1038/oby.2008.38. Epub 2008 Mar 6.
– Matsuo, T.; et al. Effects of dumb-bell exercise with and without energy restriction on resting metabolic rate, diet-induced thermogenesis and body composition in mildly obese women. Asia Pac J Clin Nutr. 1999 Jun;8(2):136-41.
– van Dale, D.; et al. Repetitive weight loss and weight regain: effects on weight reduction, resting metabolic rate, and lipolytic activity before and after exercise and/or diet treatment. Am J Clin Nutr. 1989 Mar;49(3):409-16.
– Wingfield, H.L.; et al. The acute effect of exercise modality and nutrition manipulations on post-exercise resting energy expenditure and respiratory exchange ratio in women: a randomized trial. Sports Med Open. 2015 Jun;2. pii: 11.
– Block, J.P.; et al. Consumers' estimation of calorie content at fast food restaurants: cross sectional observational study. BMJ. 2013 May 23;346:f2907. doi: 10.1136/bmj.f2907.
– Lichtman, S.W.; et al. Discrepancy between self-reported and actual caloric intake and exercise in obese subjects. N Engl J Med. 1992 Dec 31;327(27):1893-8.
– Hollis, J.F.; et al. Weight loss during the intensive intervention phase of the weight-loss maintenance trial. Am J Prev Med. 2008 Aug;35(2):118-26. doi: 10.1016/j.amepre.2008.04.013.
– Spring, B.; et al. Integrating technology into standard weight loss treatment: a randomized controlled trial. JAMA Intern Med. 2013 Jan 28;173(2):105-11. doi: 10.1001/jamainternmed.2013.1221.
– Klaas R Westerterp. Diet induced thermogenesis. Nutr Metab (Lond). 2004; 1: 5.
– Johnston, C.S.; et al. Postprandial thermogenesis is increased 100% on a high-protein, low-fat diet versus a high-carbohydrate, low-fat diet in healthy, young women. J Am Coll Nutr. 2002 Feb;21(1):55-61.
– Helou, N.; et al. Variation of postprandial PYY 3-36 response following ingestion of differing macronutrient meals in obese females. Ann Nutr Metab. 2008;52(3):188-95. doi: 10.1159/000138122. Epub 2008 Jun 11.
– Warne, J.P. Shaping the stress response: interplay of palatable food choices, glucocorticoids, insulin and abdominal obesity. Mol Cell Endocrinol. 2009 Mar 5;300(1-2):137-46. doi: 10.1016/j.mce.2008.09.036. Epub 2008 Oct 15.
– Cox, T.L.; et al. Stress management-augmented behavioral weight loss intervention for African American women: a pilot, randomized controlled trial. Health Educ Behav. 2013 Feb;40(1):78-87. doi: 10.1177/1090198112439411. Epub 2012 Apr 13.
– Christaki, E.; et al. Stress management can facilitate weight loss in Greek overweight and obese women: a pilot study. J Hum Nutr Diet. 2013 Jul;26 Suppl 1:132-9. doi: 10.1111/jhn.12086. Epub 2013 Apr 30.
– Kase, C.A.; et al. The relationship of alcohol use to weight loss in the context of behavioral weight loss treatment. Appetite. 2016 Apr 1;99:105-111. doi: 10.1016/j.appet.2016.01.014. Epub 2016 Jan 12.
– Anderson, J.W.; et al. Health benefits of dietary fiber. Nutr Rev. 2009 Apr;67(4):188-205. doi: 10.1111/j.1753-4887.2009.00189.x.
– Wanders, A.J.; et al. Effects of dietary fibre on subjective appetite, energy intake and body weight: a systematic review of randomized controlled trials. Obes Rev. 2011 Sep;12(9):724-39. doi: 10.1111/j.1467-789X.2011.00895.x. Epub 2011 Jun 16.
– David J. Baer; et al. Dietary Fiber Decreases the Metabolizable Energy Content and Nutrient Digestibility of Mixed Diets Fed to Humans. The Journal of Nutrition, Volume 127, Issue 4, April 1997, Pages 579–586.
– Boschmann, M.; et al. Water-induced thermogenesis. J Clin Endocrinol Metab. 2003 Dec;88(12):6015-9.
– Venables, M.C.; et al. Green tea extract ingestion, fat oxidation, and glucose tolerance in healthy humans. Am J Clin Nutr. 2008 Mar;87(3):778-84.
– Dulloo, A.G.; et al. Normal caffeine consumption: influence on thermogenesis and daily energy expenditure in lean and postobese human volunteers. Am J Clin Nutr. 1989 Jan;49(1):44-50.
– Jo, E.; et al.Dietary Caffeine and Polyphenol Supplementation Enhances Overall Metabolic Rate and Lipid Oxidation at Rest and After a Bout of Sprint Interval Exercise. J Strength Cond Res. 2016 Jul;30(7):1871-9.
– Leidy, H.J.; et al. The role of protein in weight loss and maintenance. Am J Clin Nutr. 2015 Jun;101(6):1320S-1329S. Epub 2015 Apr 29.
– Layman, D.K.; et al. Defining meal requirements for protein to optimize metabolic roles of amino acids. Am J Clin Nutr. 2015 Jun;101(6):1330S-1338S.
– Taheri, S.; et al. Short Sleep Duration Is Associated with Reduced Leptin, Elevated Ghrelin, and Increased Body Mass Index. PLoS Med. 2004 Dec; 1(3): e62.
– Buxton, O.M.; et al. Adverse metabolic consequences in humans of prolonged sleep restriction combined with circadian disruption. Sci Transl Med. 2012 Apr 11;4(129):129ra43.
– Spaeth, A.M.; et al. Resting metabolic rate varies by race and by sleep duration. Obesity (Silver Spring). 2015 Dec;23(12):2349-56.
– Levine, J.A. Non-exercise activity thermogenesis (NEAT). Best Pract Res Clin Endocrinol Metab. 2002 Dec;16(4):679-702.
– Mansoubi, M.; et al. Energy expenditure during common sitting and standing tasks: examining the 1.5 MET definition of sedentary behaviour. BMC Public Health. 2015 May 29;15:516.
– Levine, J.A.; et al. Energy expenditure of nonexercise activity. Am J Clin Nutr. 2000 Dec;72(6):1451-4.
– Buckley, J.P.; et al. Standing-based office work shows encouraging signs of attenuating post-prandial glycaemic excursion.Occup Environ Med. 2014 Feb;71(2):109-11.
– Ello-Martin, J.A.; et al. Dietary energy density in the treatment of obesity: a year-long trial comparing 2 weight-loss diets. Am J Clin Nutr. 2007 Jun;85(6):1465-77.
– Stachenfeld, N.S. Sex hormone effects on body fluid regulation. Exerc Sport Sci Rev. 2008 Jul;36(3):152-9.

Sobre a autora

Paola Machado é fisiologista do exercício, formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Sobre a coluna

Aqui eu compartilharei conteúdo sobre exercício e alimentação para ajudar você a encontrar o caminho para um estilo de vida mais saudável. Os textos são cientificamente embasados e selecionados da melhor forma possível, sempre para auxiliar no seu bem-estar. Mas, lembre-se: a informação profissional é só o primeiro passo da sua nova jornada. O restante do percurso depende 100% de você e da sua motivação para alcançar seu objetivo.